Tasso defende união contra extremismo em 2022 e critica gestão federal na pandemia: 'desastrosa'

Para o senador cearense, o Governo Bolsonaro falhou de “maneira desastrosa e irresponsável” quando desestimulou o distanciamento social e fez pouco caso da doença, que já fez mais de 200 mil mortes no País. Confira entrevista exclusiva

fotografia
Legenda: O senador do PSDB deixa em aberto a possibilidade de concorrer novamente ao Senado pelo Estado: “o plano para daqui a dois anos é estar vivo e com saúde”
Foto: Agência Senado

Quadro histórico do PSDB e um dos parlamentares mais experientes em exercício de mandato no Senado Federal, o senador cearense Tasso Jereissati (PSDB) classifica, em entrevista exclusiva ao Sistema Verdes Mares, a condução do Governo Federal no combate à pandemia da Covid-19 como “desastrosa” e defende a união entre "todos os partidos" do campo progressista contra o "extremismo" nas eleições de 2022, pleito em que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) deve buscar a reeleição.

O tucano também avalia a posição do PSDB na eleição de 2020 em Fortaleza, a qual considera acertada diante das propostas apresentadas pela chapa pedetista e do alinhamento de Capitão Wagner (Pros), principal opositor no pleito, ao grupo de Bolsonaro nacionalmente. “É um bom homem, mas estava aliado a um grupo político nacional que tem uma visão extremista do País, que me assusta e não me dava conforto de se fazer aqui um ponto de apoio à reeleição de Bolsonaro”, afirmou. 

O senador ainda fala sobre os impasses que atrasaram o início da vacinação contra a Covid-19 no Brasil, o protagonismo do Congresso Nacional na aprovação de medidas para o enfrentamento da pandemia e pautas que devem ser discutidas neste ano, além do fim do seu mandato em 2022 - deixando em aberto a possibilidade de concorrer novamente ao Senado pelo Estado: “o plano para daqui a dois anos é estar vivo e com saúde”. 

Confira a entrevista completa:

Qual foi o papel do Congresso Nacional e do Governo Federal na condução da crise provocada pela pandemia em 2020? 

Tivemos um ano difícil, atípico. Ninguém espera viver um ano como esse. Aqui no Ceará, no Brasil e no mundo inteiro (a pandemia) afetou a vida, a economia, a saúde, a educação de todas as pessoas. E nas regiões mais pobres a vulnerabilidade é sempre maior. Nós tivemos uma ação, ao meu ver, positiva. Do Governo Federal, foi o auxílio emergencial, que realmente funcionou, trouxe resultados. Deu uma sustentação interessante à população mais vulnerável, não só para aqueles que ficaram desempregados, mas para aqueles informais e até para os que não tinham nenhum tipo de segurança assistencial, como Previdência. Então, isso foi bastante positivo e aliviou bem (a crise financeira) pelo período que nós pensávamos ser o período crítico da pandemia. 

No entanto, neste momento, nós estamos vivendo outro período crítico. Achávamos que estava acabando, que as coisas estavam começando a melhorar. Mas voltou agora (a alta na incidência de casos de Covid-19) até com mais gravidade em alguns lugares. E que a justiça seja feita: no mundo inteiro. Os países mais evoluídos, como Estados Unidos, com 400 mil mortes. É realmente triste o que está acontecendo.  

Por outro lado, o Governo Federal também falhou de uma maneira lastimável no combate à pandemia. Se agiu com eficiência com o auxílio emergencial, no combate à pandemia falhou de uma maneira desastrosa e irresponsável. Falhou quando não estimulou o distanciamento social, que é fundamental para o controle da pandemia, para diminuição de internamentos, diminuição de mortes. Falhou quando não acreditou na gravidade da pandemia, chamando de gripezinha. Falhou quando atrasou de uma maneira dramática a questão da vacinação. É um governo extremamente desastrado nessa questão, fora em outros problemas na área econômica que nós passamos a viver.

O Congresso também teve seus problemas, foi impedido de ter sessões presenciais, obviamente por conta da pandemia. Ficamos trabalhando remotamente, mas aprovamos com certa eficiência algumas medidas fundamentais, como o próprio auxílio emergencial, que foi aprovado com uma rapidez extraordinária; aprovamos o Marco Regulatório do Saneamento Básico, uma nova legislação para a pequena e microempresa. Enfim, mesmo com essas dificuldades, tivemos algumas votações importantes que foram feitas e que o Congresso foi eficiente. Falhamos, no entanto, em algumas grandes reformas que não são possíveis de fazer por sessões remotas, porque não existe a presença física, o debate, as discussões. Mas eu diria que o Congresso teve um saldo positivo. Por exemplo, essas reformas nós vamos ter que recuperar agora em 2021. Lá para março, pelo menos, nós já possamos voltar ao trabalho presencial. Espero, porque nós aqui precisamos da vacina.  

Como o senhor tem observado lá do Congresso essa movimentação do Governo Federal, do Ministério da Saúde, em relação à vacina? 

Desastrosa. Infelizmente, o atraso em que nós estamos em relação à vacina é vergonhoso, para não dizer criminoso. Porque a cada dia que se perde sem vacinação são centenas de mortes no nosso País, são centenas de famílias de luto, são milhares de pessoas com seus entes queridos falecendo, famílias sendo destruídas. Enfim, não é brincadeira. Esse atraso que nós estamos vivendo, o Governo Federal é o principal culpado, é imperdoável. Nós não negociamos a tempo. Não compramos a vacina na hora certa. O presidente declarou várias vezes que não acreditava na pandemia, que era uma gripezinha, que ia acabar logo.  

Por outro lado, tivemos três ministros da Saúde. O centro das atenções é o Ministério da Saúde, tivemos três mudanças, com demissões absolutamente inexplicáveis, e acabamos com um ministro general, que é uma boa pessoa, não discuto, mas que é inteiramente incompetente para o cargo. Não conhece os problemas, não entende de epidemiologia, não entende de doenças infecciosas, não conhece a máquina do Ministério da Saúde e até hoje nós estamos patinando nessa discussão sobre a vacina. Espero que a gente possa recuperar esse tempo perdido, mas as pessoas que faleceram e as que ainda virão a falecer, essas nós não vamos recuperar mais.  

E quero lembrar que falhamos também bastante nesse final de ano, no Brasil todo. Quando nós vimos aglomeração de pessoas em festa de fim de ano, de Natal, etc. Eu concentro as críticas no Governo Federal, mas nós, população brasileira de maneira geral, não ajudamos no que poderíamos ajudar. E essas aglomerações estão tendo repercussões agora, com esse aumento de casos e de mortes. 
  

Em relação à agenda econômica do Governo, como reforma tributária e reforma administrativa, está na escala para esse ano de 2021? 

Infelizmente, ainda não. Nós não temos um aceno claro de qual é o plano de política econômica para o Brasil, para retomar o crescimento e, ao mesmo tempo, preservar o crescimento da dívida. Estamos gastando muito mais do que arrecadamos. A dívida brasileira está crescendo de maneira geométrica. E não digo nem parar de gastar e se endividar neste ano, mas dar uma sinalização exata de como vamos nos comprometer para que essa dívida pare de crescer, para que ela tenha uma trajetória de estacionar o valor, porque se não vamos perder a confiança (de investidores) e vamos ter problemas maiores ainda. 

Legenda: Para Tasso, ainda não há um aceno claro de qual é o plano de política econômica para o Brasil
Foto: Agência Senado

Porém, o mais urgente mesmo na pauta econômica é a vacinação. Enquanto não tivermos uma vacinação em massa da população brasileira, nós não iremos voltar à vida normal. E enquanto não voltarmos à vida normal, não vamos ter retomada de empregos. Esse é o grande 'X' da questão. E os investidores ficam se perguntando o que vai acontecer com o Brasil enquanto não começarmos um processo sério de vacinação.    

Sobre a vacinação, o senhor acha que tem algum papel que o Congresso Nacional possa assumir? E sobre o auxílio emergencial, há como o Congresso avançar nessa medida de alguma maneira? 

Na questão de apressar a vacinação, não tem muito concretamente o que fazer. O que nós podemos é pressionar o Ministério da Saúde, pressionar o Governo. (...) Eu tenho, juntando vários estudiosos, economistas, pesquisadores, um projeto que cria um programa de auxílio emergencial definitivo. É um programa que prevê todas essas possibilidades: calamidade pública, calamidade pessoal, que é quando a pessoa perde o emprego ou doença, e para as pessoas que já vivem abaixo da linha da pobreza. Nós fizemos um projeto para atender toda essa população mais vulnerável, que está no Congresso agora e o senador (Antônio) Anastasia é o relator. E espero que as coisas ocorram como a gente deseja para que nós possamos estar discutindo isso no Senado agora em fevereiro.   

O senhor chegou a conversar com a equipe econômica do Governo Federal sobre esse projeto? Eles podem abraçar essa causa? 

Eu acho que podem. O Governo é muito imprevisível. A gente conversa, eles gostam e depois desgostam. Elogiaram o trabalho, mas existem muitas futricas e intrigas dentro daquele Governo. Bobas e até infantis. E que a gente não sabe qual vai ser a reação deles no final das contas. Eu acredito que pode, mas quero ver para crer.   

O senhor acha que tem que ter, pelo menos no curto prazo, a renovação desse auxílio? 

Sim. Nós podemos ter em janeiro uma situação até pior do que aquela que vivemos em maio. O que significa isso? Que nós não vamos recuperar os empregos, podemos até agravar. Ou seja, aqueles que ficaram desempregados continuarão desempregados, aqueles informais vão continuar vivendo o mesmo drama, e mais agravado até pelo tempo - até ter suas reservas, até psicológicas, esgotadas. 

A prorrogação do auxílio emergencial, não necessariamente do mesmo nível de R$ 600, é fundamental. Se não, nós vamos ter gravíssimos problemas sociais, principalmente numa terra como a nossa no Estado do Ceará.  

O Senado está passando por um processo de mudança na Presidência. Qual é o processo de articulação que o novo presidente do Senado precisa ter diante desse cenário? 

Ele precisa ser uma pessoa extremamente independente, que dê a força e a credibilidade que a instituição Congresso Nacional precisa ter. Os presidentes da Câmara e do Senado precisam ter essa estatura: que dê confiança e ao mesmo tempo promovam o diálogo com o Governo Federal para que o país não pare, sem perder a sua autonomia e a sua independência.

Legenda: O senador defende que o próximo presidente do Senado tenha perfil independente para garantir credibilidade ao Congresso
Foto: Agência Senado

Então, é esse o perfil ideal do presidente do Senado e da Câmara. Até institucionalmente, diante dos riscos que nós temos pela frente. Nós vimos o que acabou de acontecer nos Estados Unidos, uma coisa absolutamente inédita e impensável (invasão do Capitólio) para um país como os Estados Unidos, insuflado pelo presidente da República de lá, que é o guia do presidente daqui. Então, nós precisamos ter muito cuidado, e é por isso que as instituições, o Congresso, o Supremo, têm que ser muito respeitadas e independentes.    

presidente deu algumas declarações criticando o voto eletrônico. O senhor acha que ele pode tomar uma medida semelhante à medida do Trump? 

Ele imita o Trump em tudo. E essa questão do voto eletrônico, novamente ele está imitando. O Trump vinha dizendo que não ia aceitar o resultado da eleição por conta do voto pelos Correios, que é uma tradição lá nos Estados Unidos.

O presidente Bolsonaro está fazendo a mesma coisa, só que, ao invés de usar o voto pelos Correios, ele está dizendo que, se houver o voto eletrônico, vai ter fraude. E ao mesmo tempo, está anunciando que não vai aceitar. Enfim, ele está seguindo a referência do Trump. Por conta disso, nós precisamos estar num sinal de alerta enorme, para que as nossas instituições, as nossas eleições de 2022, sejam preservadas na sua clareza e plenitude a qualquer custo. 
 

O senhor chegou a dizer em entrevista que as pessoas não estão dando a devida dimensão a essa eleição da Câmara e do Senado. É essa ameaça a 2022 a que o senhor se referia? 

Exatamente. Mais do que nunca, nós vamos precisar ter um Congresso com muita credibilidade, com muita respeitabilidade e com muita independência para que possa enfrentar de uma maneira correta e altivez qualquer turbulência.   

senhor, inclusive, é colocado como um dos nomes para construir um consenso lá no Senado. O senhor poderia ser o novo presidente do Senado? 

Não. Não tenho isso como projeto, não tenho isso como plano. Acho que hoje posso fazer muito bem o papel que me reservou a população cearense, fazendo uma articulação para que o Senado tenha essa credibilidade e votando projetos que tenham realmente a ver com a população brasileira, principalmente com a população cearense - como esse projeto que nós apresentamos que vai beneficiar o Estado do Ceará, que tem uma das maiores parcelas da sua população em situação de vulnerabilidade.   

O senhor falou em 2022. Há uma saída de centro para 2022? Um consenso seria mais importante do que os partidos individualmente para essa próxima eleição? 

Nós temos que acabar com esse ódio no Brasil. O Fla X Flu do ódio. Ver quem tem mais gente de um lado ou do outro. Temos que entender que vivemos um tempo de radicalizações e volto a dizer: olha o que aconteceu nos Estados Unidos. Olha o que pode acontecer no Brasil. (Para) As pessoas, principalmente nas redes sociais, não existem mais argumentos, existem xingamentos. As pessoas se xingam, se ofendam. A convivência e o respeito à ideia, ao pensamento dos outros, estão em baixa. Não existe espaço.

Se você olhar o perfil da população brasileira, eu diria que 70 a 80% é esse: não é extremista, quer um equilíbrio, quer mais medidas que impactem no seu dia a dia do que posições ideológicas e extremistas.  

Então, acho que há um enorme espaço para o centro que não lida com o ódio como principal arma na política. O que defendo não é que haja um consenso, mas que haja uma visão em que os princípios sejam mais importantes do que os nomes e do que os projetos pessoais. E haja uma união ao redor desses princípios. 

Legenda: Segundo o tucano, há no Brasil "um enorme espaço para o centro que não lida com o ódio como principal arma na política"
Foto: Agência Senado
 

Nesse campo que o senhor falou, nós temospor exemplo, o nome do governador João Doria, do Luciano Huck, do Ciro Gomes. O senhor acha que o PSDB tem que ter um candidato a presidente? Como é tratado isso internamente? 

Não acho que nenhum partido tem que ter prioridade. Acho que tem que ter um candidato que represente o que o Brasil precisa agora. E o que o Brasil precisa agora é de moderação, de racionalidade, de gestão e, principalmente, que dê fim à política do ódio, de xingamentos e 'fake news'.  

Se nós tivermos uma eleição em 2022 novamente ao redor de dois extremos, nosso destino vai ser muito triste. E nós precisamos acabar com isso. Então, antes de colocar os nomes, defendo isso: que todos os partidos se sentem ao redor desses objetivos e aí a gente discute um nome. 
  

O senhor acha que o PSDB está aberto a esse modelo que o senhor prega? 

Acho que parte do PSDB está aberta e daqui para lá vai estar mais ainda. Isso vai ficando, principalmente nesse ano que inicia, cada vez mais forte.   

No Ceará, o partido do senhor elegeu cerca de quatro prefeitos. Como o senhor avalia o desempenho do PSDB aqui? Falta renovação das lideranças do PSDB no Ceará?

Falta, é verdade. É difícil dizer que o PSDB não se renovou, nós até nos renovamos, sim. Mas de um tempo para cá, os partidos se renovam através do poder. Isso no Brasil inteiro, mas forte aqui no Ceará. Quando o partido está sem governo, ele não tem, infelizmente, o mesmo poder de atração do que os partidos que estão no poder. Nós estamos fora do poder já faz alguns anos e temos tido a posição de oposição. Nas últimas eleições para Governo e para presidente da República, os outros partidos tiveram uma chapa de Governo. Se eu não me engano, todos os partidos tiveram uma chapa do Governo, só não o PSDB e um ou dois partidos que não tinham Governo.

Fora do poder, fica muito difícil a renovação. Nós não tínhamos a prefeitura da Capital, não tínhamos Governo Federal. Infelizmente, o poder de atração diminui muito. E perdemos muitos nomes para partidos no poder, não só prefeitos, mas deputados estaduais, deputados federais, candidatos. Então, nós estamos perdendo com o tempo. Mas elegemos e fizemos bonito em alguns municípios muito importantes, como Maracanaú, de articulação política muito grande. Ganhamos aliado em Caucaia. Fizemos, do meu ponto de vista dos municípios, um avanço qualitativamente.   

O seu partido em 2016 foi oposição na Capital. Dessa vez, foi aliado na candidatura de Sarto (Nogueira) em Fortaleza. Essa mudança de postura na Capital se deu devido a que? 

Compromisso com Fortaleza e com a visão nacional de política. Primeiro, nós não podíamos negar os fatos: o prefeito Roberto Cláudio fez um belo trabalho como prefeito de Fortaleza. Não iríamos tentar quebrar esse ciclo, que a meu ver vai muito bem, apesar de eu ter votado contra ele e ter feito oposição. Isso é um fato e nós temos que reconhecer.

E era o que apresentava o melhor programa como candidato. Do outro lado, tinha também uma boa pessoa, é um bom homem, mas estava aliado a um grupo político nacional, que é esse do Bolsonaro, que tem uma visão extremista do País, que me assusta e não me dava conforto de se fazer aqui um ponto de apoio à reeleição do Bolsonaro. Então, essas duas razões foram as que nos fizeram apoiar a candidatura do Sarto.   

O prefeito Roberto Cláudio é de um projeto que tem também o governador Camilo Santana, que é do PT. Qual a avaliação que o senhor faz do Governo Camilo Santana?  

O governador Camilo Santana tem um governo bom, mas tem algumas falhas. Por exemplo, na área de segurança, me preocupa muito o que está acontecendo aqui. Mas vejo alguns avanços importantes que o Governo fez. Evidentemente que esse ano nós não pudemos julgar em função da pandemia e de todas as influências negativas que a pandemia trouxe não só para o Ceará, mas para o mundo inteiro. Eu não me identifico com o partido dele (Camilo), mas não tenho inimigo pessoal lá. Muito pelo contrário, tenho muitos amigos lá no PT. Mas tenho uma ideologia, uma visão de mundo, uma visão sobre a economia diferentes. E é, portanto, isso que nos distancia bastante.   

Legenda: Para Tasso, compromisso com Fortaleza e com a visão nacional de política foi definidor para apoio a Sarto em 2020
Foto: Agência Senado

Então, é difícil PT e PSDB fazerem parte da mesma coligação aqui no Ceará? 

Não só aqui no Ceará, mas até no Brasil. Eu acho que o PT foi quem começou essa questão de 'nós contra eles', o que dividiu o Brasil em 'nós' e 'eles'. E criou essa radicalização e começou essa discussão muito radical de nós contra eles. Como governante, tem que se convencer que a campanha acabou e que ele é governador de todos os cearenses, não importa se é de um determinado partido, cor ou raça.

Quando o PT, em determinado momento, começou demais essa história de 'nós' e 'eles', começou a dividir e radicalizar esse ódio. O Bolsonaro entrou e ao invés de ser 'nós' contra 'eles', acabou 'eles’ contra ‘nós'. O outro extremo dessa radicalização. E essa é uma outra questão que acho muito difícil de nós termos uma identidade política maior com o PT de hoje, que tenha esse tipo de postura em relação aos brasileiros e como ver o que é governar o País.   

O fenômeno do Bolsonaro acabou aumentando o campo de possibilidades entre centro-esquerda e centro-direta? 

Claro. Fora dos extremos, há uma convergência bem clara do centro-esquerda e do centro-direita, que não existia anteriormente. Você vê aí, por exemplo, o DEM, que era tido como um partido mais à direita, hoje já é visto como um partido de centro-direita. O próprio PDT do Cid, o PSB, que eram partidos mais de esquerda, hoje são vistos como partidos de centro-esquerda. Então, essa afinidade, essa visão comum de medo dos extremos cada vez se consolida mais.   

O senhor vai encerrar o seu mandato em 2022. O senhor vai ser candidato a senador? 

Quando você está com 72 anos, o plano para daqui a dois anos é estar vivo e com saúde.   

O senhor tem algum plano político para os próximos anos?  

Para mim, não. Acho que está na hora de renovar mesmo. Renovar cabeças, ideias. Essa meninada do computador, do digital, da internet... tenho muita dificuldade de entender a comunicação deles.    

senador Tasso cogita não ser candidato em 2022? 

Eu aprendi na vida, não só na política, que a gente nunca diz 'dessa água não beberei', mas em 2023, estando com saúde e vivo, vou estar muito feliz. 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre política