Roberto Cláudio se solidariza com Cid Gomes, baleado nesta quarta-feira em Sobral

O prefeito de Fortaleza ressaltou "espírito público" de Cid e demonstrou indignação pelos "atos inaceitáveis de criminalidade"

Legenda: Roberto Cláudio se solidariza com Cid Gomes, baleado durante tumulto em Sobral nesta quarta-feira
Foto: Pompeu Vasconcelos

O prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio (PDT), também se pronunciou a respeito do tumulto ocorrido em Sobral na tarde desta quarta-feira (19), quando o senador licenciado e ex-governador do Ceará, Cid Gomes (PDT) foi atingido por dois tiros de arma de fogo. O gestor da capital ressaltou o "espírito público" de Cid, bem como demonstrou indignação pelos "atos inaceitáveis de criminalidade", referindo-se aos atos de alguns policiais militares em protesto por reajuste salarial. 

"A sua coragem de lutar pela população, somada à determinação de agir na defesa da coletividade, comprovam, mais uma vez, o seu notável caráter de líder da mais alta grandeza", disse o prefeito, referindo-se a Cid Gomes. 

Além disso, prestou ainda solidariedade ao governador Camilo Santana (PT) no enfrentamento aos atos dos policiais envolvidos. "Aproveito para me solidarizar com o Governador Camilo Santana e apoiar a sua decisão de enfrentar com firmeza estes criminosos motins", pontua.

Roberto Cláudio classificou o episódio desta quarta-feira como uma "tentativa de homicídio" para "uso politiqueiro que um pequeno grupo de milicianos oportunistas vem utilizando nos últimos anos para conquistar poder e benefícios pessoais". 

Por fim, o prefeito de Fortaleza esclarece que ampliou a atuação dos Setores Estratégicos da Prefeitura de Fortaleza, dando apoio às Forças Municipais de Segurança, principalmente em pontos estratégicos de Fortaleza, para garantir a segurança da população. 

TIROS

Cid Gomes foi baleado durante um ato de grupo de policiais reivindicando aumento salarial. Movimento é registrado no Ceará desde a noite de terça-feira (18), na Capital e em cidades do Interior.

Segundo a assessoria do político, um projétil bateu na clavícula e saiu, enquanto o outro se alojou no pulmão esquerdo. Ainda no Hospital do Coração da cidade, a bala do pulmão foi drenada. Em seguida, o senador realizou tomografia na Santa Casa de Sobral, retornando depois para a UTI do Hospital do Coração, onde deve passar a noite em observação.

INVESTIGAÇÃO

A Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) informou que as investigações a respeito do crime cometido contra Cid Gomes estão com o Núcleo de Homicídios da Delegacia Regional de Sobral da Polícia Civil. Uma equipe do Grupo de Pronta Intervenção (GPI) da Polícia Federal, composta por agentes, peritos e papiloscopistas está se dirigindo à Sobral para auxiliar os trabalhos da Polícia Civil. 

Ainda durante a noite desta quarta-feira (19), os policiais que estavam amotinados no quartel de Sobral abandonaram o local.

CIRO SE PRONUNCIA

O irmão de Cid, Ciro Gomes, publicou em rede social que o senador "foi vítima de dois tiros de arma de fogo por parte de policiais militares amotinados e mascarados". Conforme Ciro, "as informações médicas são de que as balas não atingiram órgãos vitais apesar de terem mirado seu peito esquerdo".

"Novos exames estão sendo feitos, mas a palavra aos familiares e amigos é de que Cid não corre risco de morte", informou Ciro.

Momentos antes dos tiros, Cid Gomes postou stories em seu Instagram afirmando que iria a Sobral para "definir coletivamente uma estratégia para dar paz" à cidade.

REPERCUSSÃO

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), afirmou estar acompanhando "com preocupação" desdobramentos do ocorrido com o senador licenciado. 

Em nota, o Ministério da Justiça e Segurança Pública informou que "já foram enviadas equipes da Polícia Rodoviária Federal e Polícia Federal para Sobral para garantir a segurança" de Cid, conforme o ministério. Além disso, a Força Nacional de Segurança Pública deve chegar ao Ceará, nesta quinta-feira (20), após pedido do governador Camilo Santana (PT) 

 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre política