'O Governo Federal deve entender que é de todos os brasileiros', diz presidente da AL

O deputado José Sarto (PDT) lidera comitiva para defesa de pautas regionais em São Luís, nesta sexta-feira (29), com lideranças parlamentares do Nordeste

Legenda: O presidente da Assembleia Legislativa, deputado José Sarto (PDT), participa de reunião no Maranhão, nesta sexta-feira (29), com lideranças políticas do Nordeste
Foto: Foto: José Leomar

O presidente da Assembleia Legislativa do Estado, José Sarto (PDT) se reúne, nesta sexta-feira (29), em Sao Luís (MA), com outras lideranças parlamentares do Nordeste para fortalecer a unidade regional em torno de pautas políticas comuns. O Legislativo faz movimentação análoga ao Consórcio Nordeste, assinado por governadores no último dia 14, também na capital maranhense.

O Nordeste saiu da última eleição, eu diria, com um olhar pouco generoso do Governo Federal, talvez politizando os assuntos. E ao vencedor se impõe generosidade. O Governo Federal deve entender que é um governo de todos os brasileiros

Entre as pautas a serem defendidas, a manutenção de órgãos como o Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs), a Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (Sudene), a Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) e, principalmente o Banco do Nordeste (BNB), cuja privatização ou fusão ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) vem sendo especulada desde o ano passado.

"É uma instituição que data de 1952 e que precisa ser fortalecida, e não ter reduzida sua atuação", defendeu Sarto.

Outro benefício da aliança, segundo o presidente da AL, é a possibilidade de aquisição de bens e serviços a melhores preços, com a negociação de forma conjunta no mercado. Participam da comitiva, além de Sarto, os deputados Acrísio Sena (PT), Walter Cavalcante e Danniel Oliveira, ambos do MDB. 

'Fogueira de vaidades'

Apesar do conflito de interesses com as pautas chamadas de "inegociáveis", como o BNB, José Sarto afirma que tem torcido para um melhor entendimento dos poderes em Brasília. 

"Eu torço para que o Governo se entenda lá de alguma forma e que a economia possa melhorar para todos nós", disse.

Sarto também lamentou as recentes trocas de farpas entre o presidente Jair Bolsonaro (PSL) e o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM), no que classificou como "fogueira de vaidades".

"Quando a gente percebe os maiores cargos da nação brasileira batendo boca de uma maneira, eu diria, pouco pedagógica, preocupa. Preocupa porque isso não vai dar em lugar nenhum. Já se fala aí que essa Reforma da Previdência já está capengando há muito tempo", finalizou.