Fortaleza registra manifestação e carreata contra Bolsonaro neste sábado

Mobilização faz parte de manifestações nacionais que denunciam a postura do presidente na pandemia

manifestantes marchando em protesto contra Bolsonaro em Fortaleza
Legenda: Ato que saiu do bairro Benfica teve fim com ato ecumênico na Igreja de Fátima
Foto: Lívia Carvalho

Manifestantes contrários a Jair Bolsonaro foram às ruas neste sábado (29) em Fortaleza para protestar contra a atuação do presidente no combate à pandemia. O ato que começou na Praça da Gentilândia e carreata realizada nas imediações do Castelão ocorreram de forma simultânea. 

Segundo o Diário do Nordeste apurou com a organização no local, o ato foi liderado por frentes da esquerda, movimentos sociais e centrais sindicais.

A manifestação será encerrada no fim da tarde deste sábado na Igreja de Fátima com um ato ecumênico com minuto de silêncio em homenagem às vítimas da Covid-19. 

CONFIRA VÍDEO:

Cartazes pediam mais vacinas e estampavam "Fora Bolsonaro". Já nas imediações da Arena Castelão uma carreata com buzinaços e cartazes foi promovida contra o presidente. 

Uso de máscaras

Ari Areia, do Partido Socialismo e Liberdade (Psol), um dos organizadores do protesto, pontuou que foram tomados cuidados com o distanciamento social no ato. Álcool em gel e máscaras eram distribuídos aos manifestantes. 

cartaz
Legenda: Manifestantes pediram mais vacinas contra a Covid-19 e estamparam faixas e cartazes com "Fora Bolsonaro"
Foto: Hannah Freitas

Presença de idosos

A professora aposentada da Universidade Federal do Ceará Marília Brandão, 71, e a aposentada da Secretaria de Planejamento do Ceará Lígia Luna, 69, alcançaram a manifestação no bairro de Fátima na tarde deste sábado.

"A gente se sente na obrigação de participar disso. É um dever", explicaram as idosas. 

Marília, que perdeu um irmão para a Covid comenta que deseja "a volta da democracia para o Brasil". "É fora Bolsonaro. Nós precisamos de vacina para todos. Perdemos irmãos e pessoas próximas", conta.

Marca de 450 mil mortes no Brasil 

O médico Leandro Araújo, 38, compareceu ao protesto e relatou a importância de denunciar "que existe uma causa para as mais de 450 mil mortes" por Covid-19 no Brasil. Ele trabalha na linha de frente da rede pública desde o ano passado.  

"Existe uma situação sanitária causada pelo presidente da República, que nega a ciência. Ele negou a compra de vacinas e consequentemente levou a tudo isso. A indignação se dá hoje nas ruas, de forma segura, com distanciamento social, álcool em gel e máscara PFF2", afirma. 

Leandro comenta ainda sobre o desejo de mais vacinas para população, auxílio emergencial e o impeachment de Jair Bolsonaro, "esse presidente que realmente não representa o povo brasileiro".

Interior 

Em Iguatu, região Centro-Sul do Ceará, um protesto foi organizado por centrais sindicais na manhã deste sábado (29). Faixas estampando "luto por 400 mil mortos" e "Escola sem vacina é chacina" foram hasteadas por manifestantes. 

manifestação contra bolsonaro em Iguatu
Legenda: Em Iguatu, manifestantes se reuniram em frente a Universidade Regional do Cariri (Urca)
Foto: Divulgação

O grupo se reuniu em frente ao campus Iguatu da Universidade Regional do Cariri (Urca).

Juazeiro do Norte teve manifestação no Centro também na manhã deste sábado. Manifestantes pautaram o número de mortes por Covid no País e cobraram uma maior rapidez na imunização marchando pelas ruas da cidade. Em fotos divulgadas pela organização é possível ver que a Polícia Militar acompanhou o movimento. 

Manifestantes marchando em ruas de Juazeiro do Norte contra o presidente jair bolsonaro
Legenda: Centro de Juazeiro do Norte, no Cariri, registrou protesto
Foto: Nívia Uchôa/Divulgação

 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre política