Manifestações contra Bolsonaro ocorrem em várias capitais neste sábado; veja imagens

Expectativa é de que protestos ocorram em cerca de 200 cidades até o fim do dia

manifestantes em rua de belo horizonte durante protesto contra bolsonaro
Legenda: Na Praça da Liberdade, em Belo Horizonte, manifestantes pediam mais vacinas e criticavam a atuação de Bolsonaro na pandemia
Foto: Douglas Magno/AFP

Liderados por centrais sindicais e movimentos sociais, protestos contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ocorrem em várias capitais do Brasil neste sábado (29). A manhã foi marcada por atos em Rio de Janeiro, Pernambuco, Bahia e Minas Gerais. 

A expectativa da organização é que atos semelhantes aconteçam até o final do dia em cerca de 200 cidades, incluindo as 27 capitais. Em sua maioria, os eventos pedem impeachment de Bolsonaro e denunciam a postura do presidente no combate à Covid-19.

Manifestações são registrados em momento que o País já soma mais de 459 mil mortes pelo novo coronavírus.

Em Belo Horizonte, os manifestantes se reúnem na Praça da Liberdade, região centro-sul da cidade. O local é o mesmo utilizado para atos organizados por correligionários do presidente.

foto de manifestante usando máscara PFF2 marcada com a frase
Legenda: Manifestante em Belo Horizonte reproduziu frase de crítica a Bolsonaro em máscara PFF2
Foto: Douglas Magno/AFP

O protesto começou por volta das 10h. Com bandeiras e camisas vermelhas, os manifestantes seguiram em passeata até o centro pedindo mais vacinas e criticando a atuação do presidente no combate à pandemia

Organizadores do ato alertaram sobre a necessidade de distanciamento de dois metros entre os participantes, uso de máscaras e álcool em gel.

Forças da oposição de esquerda estavam rachadas nos últimos meses sobre ir às ruas em meio à pandemia de Covid-19, mas entenderam que o descontrole do vírus e os índices de desemprego e fome exigem a realização de protestos.

30 mil pessoas em Brasília

Em Brasília, os manifestantes defenderam o impeachment de Bolsonaro, além da aceleração da vacinação e aumento do valor do auxílio emergencial.

Segundo os organizadores do evento, cerca de 30 mil pessoas participaram da passeata, que percorreu a Esplanada dos Ministérios até a frente do Congresso Nacional. Também foi organizada uma carreata na capital federal.

caricatura inflável de bolsonaro erguida durante protesto contra o presidente em Brasília
Legenda: Cerca de 30 mil pessoas compareceram à manifestação na capital federal
Foto: Evaristo Sá/AFP

Manifestantes carregavam faixas com frases contra Bolsonaro, além de bandeiras do PT e de apoio ao ex-presidente Lula. O PT apoiou as manifestações deste sábado.

Os organizadores contestaram a atuação de policiais e fiscais em Brasília, que impediram a venda de comida na região e também que um boneco de ar com a imagem de Bolsonaro seguisse durante a passeata.

Queima de boneco no Rio de Janeiro

No Rio de Janeiro, milhares de manifestantes caminharam das 10h às 13h pelo centro da cidade, fazendo o trajeto do Monumento Zumbi dos Palmares até a Cinelândia.

manifestante queima boneco com o rosto de bolsonaro em protesto no rio de janeiro
Legenda: Boneco de Bolsonaro foi queimado durante o ato na região central do Rio de Janeiro
Foto: André Borges/AFP

Houve queima de um boneco de Bolsonaro.  Um grande boneco inflável do ex-presidente Lula, com os escritos "Lula Livre", foi levado ao ato, assim como placas de "Fora Bolsonaro" e gritos contra o presidente.

manifestante ergue cartaz que diz:
Legenda: No RJ, jovem ergue cartaz indicando que está no protesto pela morte de seu avô e das mais de 450 mil mortes por Covid no País
Foto: Mauro Pimentel/AFP

Praticamente todos usavam máscaras, muitos do tipo PFF2.  Aglomerações foram registradas em alguns pontos. A Polícia Militar não acompanhou o protesto, como de costume.

O protesto no Rio tem as seguintes pautas: "Pela vida, por vacina, pelo auxílio digno e contra os cortes na educação". Os organizadores também pediram que os manifestantes levassem um quilo de alimento não perecível.

Recife

Em Recife houve correria após a Polícia Militar avançar sobre os manifestantes com spray de pimenta e bombas de gás. O Ministério Público de Pernambuco havia recomendado o cancelamento do evento, devido às restrições contra a Covid-19, mas a organização manteve e foi interrompida pelos policiais.

O protestou parou a cerca de 200 metros do bloqueio, mas os policiais avançaram e lançaram bombas de gás, gerando correria.

Salvador

Em Salvador, milhares de manifestantes se concentraram na praça do Campo Grande, e saíram em passeata na avenida Sete de Setembro acompanhados de um minitrio e de grupos de percussão.

Organizadores tentaram organizar a passeata em três filas, com o objetivo de manter o distanciamento entre os presentes. Mas a estratégia funcionou apenas em alguns pontos do protesto. A grande maioria dos manifestantes usava máscara de proteção contra a Covid-19.

"O ato superou nossas expectativas. Houve uma mobilização muito forte da juventude", disse Walter Takamoto, da Frente Brasil Popular, um dos organizadores do protesto na capital baiana.

A pauta foi diversa: além das críticas à atuação do presidente Jair Bolsonaro na pandemia, houve protestos contra os cortes de verbas na educação, contra a privatização dos Correios e em defesa da moradia popular. Grupos de torcedores do Bahia e do Vitória também se uniram à manifestação.

Alguns manifestantes levaram faixas e vestia camisas em favor do ex-presidente Lula. Um grupo levou uma caixa de som que tocava um jingle do ex-presidente em ritmo de forró.

 

 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre política