Ceará seguirá plano de vacinação proposto pelo Governo Federal, diz Camilo após reunião em Brasília

Governador se encontrou com ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, e indicou a compra do primeiro imunizante aprovado no País

Legenda: Governador se encontrou com o Ministro da Saúde para tratar da compra e garantia de imunizantes para o Ceará
Foto: Reprodução

O Ceará deverá seguir o plano de vacinação proposto pelo Governo Federal. A informação foi confirmada pelo governador Camilo Santana (PT) após reunião com o ministro da saúde, Eduardo Pazuello, na tarde desta segunda-feira (14), em Brasília. O Secretário de Saúde do Ceará, Dr. Cabeto, também participou do encontro. 

Leia mais

Ainda nesta semana, o ministério poderá apresentar um plano nacional de vacinação, que deverá ser seguido posteriormente em todo o Estado. “A partir do lançamento nacional será feito o lançamento regional", explicou o governador.

“O Brasil precisa iniciar (o plano) com qualquer uma das vacinas, tendo o registro emergencial ou o definitivo”, destacou. Camilo disse também que o Estado iniciou a compra de refrigeradores para armazenamento e seringas para aplicação da vacina. 

A expectativa, segundo o Chefe do Executivo após conversa com Pazuello, é que o País possa ter cerca de 300 milhões de doses disponíveis em 2021. O governador indicou disposição de adquirir mais de um tipo de imunizante para o Ceará, desde que esteja registrado e aprovado de forma definitiva ou emergencial.

Encontro com Doria

Camilo tem ainda uma viagem programada para São Paulo nesta terça-feira (15). A visita ao governador João Dória (PSDB) ocorre em meio à tensão política do governo paulista e o presidente Jair Bolsonaro (sem partido). 

Desde que foi anunciada a produção do imunizante, o presidente tem dado declarações contrárias ao que chamou de “vacina chinesa''.  

O encontro entre Doria e Camilo é para garantir doses da vacina, desenvolvida em parceria com o Instituto Butantan e o Governo do Estado de São Paulo.

 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre política