Ceará tem 2.630 mortes por Covid-19; casos confirmados da doença chegam a 37.143

O número de pacientes recuperados no Estado também avançou para 24.085, segundo dados divulgados pela Secretaria da Saúde do Estado (Sesa), na manhã desta quarta-feira (27). 

Legenda: No Ceará, há mais de 37 mil casos e 2.630 óbitos suspeitos de Covid-19
Foto: Foto: AFP

O Ceará registrou 2.630 óbitos e 37.143 casos confirmados de Covid-19, conforme dados divulgados pela Secretaria da Saúde do Estado (Sesa), através da plataforma IntegraSUS, às 9h21 desta quarta-feira (27). 

Ao todo, foram 27 óbitos e 122 casos a mais que o boletim epidemiológico divulgado às 17h43 desta terça-feira (26), que anotava 2.603 mortes e 37.021 diagnósticos positivos da doença. Neste dia, foram computados 110 óbitos na plataforma.

 

Os números apresentados pela Secretaria da Saúde fazem referência à disponibilidade dos resultados dos testes para detectar a presença dos vírus, o que não corresponde necessariamente à data da morte ou do início da apresentação dos sintomas pelo paciente. 

Em todo o Estado, 46.680 possíveis casos estão em investigação e a taxa de letalidade da doença, no momento, é de 7,1%

> Escolas se preparam para abrir, mas dependem de decreto estadual
> Antes de atingir a saúde, Covid-19 já destruiu a economia da favela, avalia Preto Zezé
> Fortaleza terá 12 postos de saúde em funcionamento nos feriados antecipados; veja list

Os dados também mostram que 24.085 pessoas se recuperaram da Covid-19 até então. Em comparação ao último informe do IntegraSUS, foram 53 pacientes a mais que receberam alta hospitalar ou ficaram livres da doença. 

Fortaleza se mantém como a cidade com maior circulação do novo coronavírus, acumulando 20.855 casos e 1.772 óbitos pela doença.

Mortes por Covid-19 em Fortaleza

Falhas técnicas tornam aplicativo do auxílio emergencial ineficiente

Mesmo após o início do pagamento da segunda parcela do auxílio emergencial, o sistema utilizado para analisar as solicitações ainda apresenta falhas que deixam cidadãos que precisam sem acesso ao benefício e abrem espaço para fraudes. Para especialista, a análise do Governo Federal para identificar os beneficiados tem sido ineficiente.

Muitos que não deveriam receber o auxílio têm conseguido acesso ao recurso, enquanto outros que deveriam fazer parte da lista de beneficiários ficaram desamparados.