Ceará é o terceiro Estado com maior número de internações por asma

Nordeste tem mais de 20 mil casos de internações em 2018; Bahia e Maranhão lideram o ranking

Tosse, chiado no peito, dificuldade para respirar, respiração rápida e curta e desconforto torácico. Esses são alguns sintomas da asma, uma das doenças respiratórias crônicas (DRC) mais comuns na população brasileira. O relatório divulgado pelo Ministério da Saúde, com dados coletados entre janeiro e agosto de 2018, revela que o Ceará é o terceiro estado do Nordeste com o maior número de internações, com 3.420 mil casos. 

O Nordeste é a região com o maior número de casos, 23.577 mil ocorrências. Os Estados com os maiores números de internações em decorrência da doença são a Bahia, com 8.679 mil, seguida do Maranhão, com 4.122. 

A doença causa o estreitamento dos bronquíolos - pequenos canais de ar dos pulmões, dificultando a passagem do ar. A asma acomete pessoas de qualquer idade, mas é mais comum ela ser diagnosticada ainda na infância. É o caso da estudante da Universidade federal do Ceará, Maryana Lopes, 21 anos, diagnosticada como asmática ainda criança, aos 10 anos.  

“Era no início que eu tinha mais crises, elas eram desencadeadas principalmente por poeira, mofo, fumaça de cigarro, mas já cheguei a ter uma crise por causa de esforço físico e foi uma das mais fortes. Foi a última que tive, aos 16 anos”, recorda a estudante. 

Cuidados 

A asma é uma doença crônica, portanto sem cura, mas pode ser controlada. O tratamento visa principalmente a melhora da qualidade de vida do paciente. Além dos medicamentos, é necessário medidas educativas e de controle dos fatores que disparam a crise da asma

“Já são cinco anos sem crises, mas tenho a consciência de que elas podem retornar, pode ser que por algum motivo, ao entrar em contato com alguns desses fatores de alergia, possa desencadear uma crise”, conclui. 

Os principais fatores de risco são o fumo e a exposição a produtos irritantes: pólen, mofo, ácaros, fumaça de cigarro, poluentes do ar, gases químicos, inseticidas, poeiras e até determinados alimentos, como o leite e os ovos. Resfriados, gripes, estresse emocional e a prática de exercícios vigorosos podem desencadear também crises asmáticas.

O diagnóstico da doença é feito por meio de uma anamnese – entrevista com o médico, por isso a importância de procurar ajuda ao se deparar com alguns dos sintomas iniciais. Em crianças de até cinco anos, o exame clínico é a principal forma de diagnóstico, entretanto, é sempre recomendado realizar a prova de função pulmonar para classificar a gravidade.

Ranking de internações por asma na região Nordeste em 2018

Bahia 8.679
Maranhão 4.122
Ceará 3.420
Pernambuco 2.226
Piauí 2.121
Paraíba 1.289
Sergipe 938
Rio Grande do Norte 406
Alagoas 376

Quero receber conteúdos exclusivos da cidade de Fortaleza