Bombeiro Civil faz trabalho voluntário há quase 24 horas em prédio que desabou em Fortaleza

Nataly relatou ao Diário do Nordeste os momentos mais difíceis

Foto: Foto: Oton Veiga/ Globo

A bombeiro civil Nataly Amaral trabalha voluntariamente há quase 24 horas nas buscas por vítimas desaparecidas nos escombros do desabamento do Edifício Andrea, no bairro Dionísio Torres, em Fortaleza. Ela diz que não sabe quando vai deixar as ações de resgate, e deve permanecer “até o corpo cansar”. 

Pelo relato da bombeiro, “o trabalho está sendo muito pesado” devido à quantidade de entulhos e escombros no local, apesar de estar acostumada a situações adversas. 

Os momentos mais difíceis para Nataly durante as buscas são aqueles em que a equipe pede silêncio absoluto no local para tentar contato com as vítimas ainda soterradas, mas não consegue retorno. “Isso abala muito”, diz a bombeira. E, ainda, encontrar objetos como brinquedos de criança e roupas infantis. 

Legenda: Escombros do Edifício Andrea
Foto: Foto: José Leomar

Desabamento

O desabamento do edifício ocorreu às 10h28 desta terça-feira (15), no cruzamento das ruas Nogueira Acioli com Tibúrcio Cavalcante. Além do prédio, um mercadinho também foi danificado.

Uma força-tarefa foi montada entre órgãos de segurança e salvamento do Estado e Município, com apoio de entidades independentes de auxílio a vítimas e familiares de vítimas.

Até a noite desta quarta, a confirmação dos órgãos competentes era de três pessoas mortas, sete resgatadas e outras sete ainda desaparecidas. 

 

Quero receber conteúdos exclusivos da cidade de Fortaleza


Redação 30 de Novembro de 2020