Em julgamento, filho de Flordelis responsabiliza ex-deputada pela morte de pastor pela primeira vez

Ex-parlamentar será julgada no dia 9 de maio; dois filhos já foram condenados por assassinato.

Legenda: Deputada federal e pastora Flordelis dos Santos é acusada de ser a mandante da morte de seu marido, Anderson Gomes
Foto: Agência Brasil

Pela primeira vez desde o início do caso, um dos filhos da ex-deputada Flordelis dos Santos, acusada de matar o marido e pastor Anderson do Carmo, responsabilizou a mãe pelo homicídio, declarando que acredita “sim” na participação dela. As informações são do jornal O Globo.

Também réu pelo assassinato pastor Carlos Ubiraci foi interrogado por cerca de uma hora, na madrugada desta quarta-feira (13), no segundo julgamento sobre o caso. Apontada como mandante da execução, em junho de 2019, Flordelis será julgada no próximo dia 9 de maio.

Carlos também é réu por homicídio triplamente qualificado e tentativa de homicídio duplamente qualificada, por conta de episódios em que membros da família teriam envenenado a comida de Anderson, além de ser acusado de fazer parte de uma associação criminosa que articulou a morte do pastor. 

“Acredito que ela tem participação, sim”, falou ele, assumindo que a prisão da mãe após a perda do mandato foi determinante para a decisão. “Eu tinha receio pelo fato de ela estar solta. Temia pela minha família”.

Ao contrário de outros irmãos, Carlos nunca havia admitido qualquer suspeita em relação a Flordelis. Em depoimento anterior, pelo contrário, ele afirmou à polícia não acreditar no envolvimento da pastora com o crime.

Outros familiares relataram que Carlos se submetia à mãe porque trabalhava como pastor na congregação comandada por Flordelis e Anderson, bem como assessor parlamentar quando ela era deputada. 

Durante o julgamento, ele também admitiu a prática de "rachadinha", por ser obrigado a repassar pelo menos 50% do salário ao casal todos os meses.

“Eu recebia cerca de R$ 11 mil, mas às vezes recebia só R$ 5 mil, em outros eram R$ 4,5 mil. O resto, eu entregava. Tinha de obedecer. Ela dizia: ‘Você só come, você só veste, porque eu te dei emprego’. Eram coisas que me machucavam muito”, relatou.

Outros acusados

O Ministério Público Estadual do Rio de Janeiro (MPRJ) chegou a pedir à Justiça que Carlos não fosse levado a júri popular por acreditar não haver provas suficientes de sua participação nos crimes. 

Contudo, a juíza Nearis dos Santos Carvalho Arce discordou do pedido e determinou o julgamento de Carlos, que foi o primeiro réu interrogado. Desde a manhã de terça, quando a sessão teve início, já foram ouvidas 12 testemunhas.

Além de Carlos, serão julgados:

  • André Luiz de Oliveira, outro filho de Flordelis; ele responderia pelos mesmos crimes no julgamento, mas teve a audiência adiada porque seu advogado passou mal. 
  • Adriano dos Santos Rodrigues, mais um filho da ex-deputada.
  • Marcos Siqueira, ex-policial militar e Andrea Santos Maia, esposa dele, por associação criminosa e por uso de documento falso, através de uma carta forjada que inocentava Flordelis.

Em novembro do ano passado, os também filhos da pastora, Lucas Cezar dos Santos e Flávio dos Santos Rodrigues, foram condenados pelo assassinato do pastor. Lucas, a nove anos de prisão. Flávio, autor dos disparos que mataram Anderson, a 33.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o Brasil