Trump autoriza início da transição de poder para Joe Biden

A autorização viabiliza o início da transição oficial de governo

foto
Legenda: Disputa pela Casa Branca foi marcada por longo impasse alvo de críticas de todos os campos políticos nos EUA
Foto: MANDEL NGAN, ANGELA WEISS / AFP

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou nesta segunda-feira (23) que não irá mais se opor ao início do processo de transição de poder para a administração de Joe Biden, dando um importante passo rumo à admissão de derrota nas eleições presidenciais.

> Joe Biden segue adiante com a transição para presidência e nomeia chefe de gabinete

> Joe Biden lista prioridades: pandemia, crise, clima e igualdade racial

Trump tuitou que a Administração Geral de Serviços deve "fazer o que precisa ser feito", após a diretora da agência, Emily Murphy, anunciar que daria início ao processo de transição.

"Quero agradecer a Emily Murphy da GSA por sua dedicação e lealdade a nosso país. Ela foi assediada, ameaçada e abusada –e eu não quero ver isso acontecer com ela, com a família dela ou com funcionários da GSA", disse ele.

"Nosso caso continua fortemente, manteremos a luta boa, e acredito que venceremos. De todo jeito, pelo melhor do nosso país, estou recomendando que Emily e sua equipe façam o que precisa ser feito com relação aos protocolos iniciais, e disse à minha equipe para fazer o mesmo".

Nos EUA, assim que um novo presidente é eleito, a GSA autoriza de maneira formal o início da transição.

O presidente republicano passou as últimas três semanas, desde a eleição de 3 de novembro, alegando, sem qualquer prova, que a vitória de Biden foi resultado de fraude. Murphy, que nega ter agido sob pressão política, até agora se recusou a liberar os fundos que sua agência administra para a nova equipe.

O início do processo de transição aconteceu depois que outros congressistas republicanos criticaram o atraso de Murphy em autorizar a pacífica e organizada transferência de poder.

A equipe do presidente eleito disse que o atraso estava ameaçando a segurança nacional e dificultando as ações de combate à pandemia de coronavírus.
Em uma carta à equipe do presidente eleito, Murphy disse que "nunca foi direta ou indiretamente pressionada por nenhum órgão executivo –incluindo aqueles que trabalham na Casa Branca ou na GSA".

Ela justificou o atraso dizendo que não queria se adiantar ao processo constitucional de contagem de votos e escolha do presidente.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o mundo