Aulas presenciais em Salvador são autorizadas a partir desta segunda (3)

Escolas devem seguir protocolos sanitários contra a Covid-19

Sala de aula vazia com máscara pendurada em cadeira
Legenda: As escolas estão autorizadas a reabrir a partir desta segunda, mas respeitando os protocolos estabelecidos.
Foto: Shutterstock

A volta às aulas em Salvador ocorre a partir desta segunda-feira (3). A partir de hoje, escolas da rede pública e particular podem retomar as atividades de modo semipresencial, embora professores tenham decidido que não retornarão às salas de aula sem que toda a categoria receba a vacina contra a Covid-19. As informações são do portal G1.

A retomada das aulas nesse modelo foi anunciada pelo prefeito da capital baiana, Bruno Reis, no último dia 23 de abril. O objetivo da prefeitura é de que os estudantes voltem de forma gradativa, com 50% da turma na sala por aula, que também serão escalonadas. No entanto, os alunos poderão ter contato com professores e funcionários dos estabelecimentos de ensino.

As escolas estão autorizadas a reabrir a partir desta segunda, mas respeitando os protocolos estabelecidos. Salvador, que está sem aulas presenciais desde 18 de março de 2020, tem cerca de 60 mil alunos na rede municipal e 143 mil na rede particular.

Professores não querem voltar

A Associação dos Professores Licenciados do Brasil na Bahia(APLB-BA) reafirmou, no último sábado (1º), a posição da categoria de retonar apenas após a vacinação com a segunda dose de imunizante contra o coronavírus. O posicionamento foi informado após reunião da entidade com representantes de sindicatos das redes privada e pública estadual, além da União dos Municípios da Bahia (UPB), da Secretaria Municipal de Educação de Salvador e da Procuradoria Geral do Município de Salvador.

Na ocasião, conforme o sindicato, o secretário de Educação de Salvador, Marcelo Oliveira, manteve a posição de retorno às aulas presenciais nesta segunda, apenas com uma dose da vacina — professores na faixa etária de 40 anos ou mais puderam receber a primeira dose até esse domingo (2), conforme anunciou o prefeito no dia 24 de abril.

Em entrevista à TV Bahia, o titular da Pasta municipal afirmou que buscará entender os motivos expostos pelos professores que não forem às escolas e tomar medidas em relação à questão.

"Todos esses profissionais foram convocados a retomar suas atividades presenciais e aqueles que não voltarem, a gente vai ter que entender os motivos reais, justos, que fizeram com que eles não compareçam às aulas e obviamente a gente vai ter que tomar algum tipo de providência, algum tipo de medida", disse, acrescentando que os alunos não devem ser prejudicados nessas circunstâncias.

Marcelo Olveira, contudo, salientou que "não é o momento" de fazer retaliações e obrigar os docentes. "A gente em um primeiro momento, a gente apela para a consciência, para responsabilidade de cada um com essas crianças. Então a gente apela para que eles voltem sem que se precise tomar nenhum tipo de medida e radicalizar a reação a essa posição dos professores".

A APLB, ainda no sábado, reforçou que os trabalhadores da educação não pararam suas atividades em nenhum momento, pontuando que o ensino remoto emergencial continua.

Protocolos de abertura

Conforme o Decreto nº 33.812 de 24 de abril de 2021, as escolas devem seguir protocolos sanitários contra a Covid-19. Além do uso de máscaras e da higienização constante, o texto predispõe que:

  • Áreas comuns (corredores, elevadores, banheiros, maçanetas, corrimões, relógio de ponto, portas, pisos, bibliotecas, laboratórios, parques, estacionamentos, salas de aula, salas administrativas, dentre outras) devem ser regularmente higienizadas todos os dias, ao menos duas vezes por turno;
  • Distanciamento mínimo de 1,5 metro entre as pessoas deve ser mantido;
  • Utilização dos elevadores deverá ser evitada, a não ser no deslocamento de materiais/produtos, e nos casos de alunos e funcionários com dificuldades de locomoção;
  • Botões externos e internos dos elevadores devem ser isolados com capa plástica ou filme de PVC, que deve ser higienizado regularmente para de garantir a segurança dos usuários;
  • Os elevadores devem ser utilizados com 30% de sua capacidade máxima e com marcação no piso determinando o local em que as pessoas devam permanecer;
  • Dispensadores de álcool gel 70% no interior dos elevadores e/ou ao lado das portas de acesso sejam disponibilizados;
  • Dispensadores de álcool gel 70% em quantidade compatível à estrutura e número de circulantes na instituição de ensino devem ser disponibilizados;
  • Plataformas elevatórias devem ser utilizadas pelo usuário e seu acompanhante, no máximo.