Motorista embriagado que matou duas pessoas em acidente na avenida Osório de Paiva é condenado

O homem dirigia um caminhão com carga de mais de 2 mil quilos; caso ocorreu em 2018

Escrito por Redação,

Segurança
Legenda: Caminhão desgovernado colidiu com outros veículos e atropelou pedestres, na Avenida Osório de Paiva, em Fortaleza
Foto: FOTO: JL ROSA

O motorista Fabiano Queiroz da Silva, que matou duas pessoas e feriu outras oito após dirigir embriagado um caminhão, foi condenado, nessa quinta-feira (26), a nove anos de reclusão pelos homicídios ocorridos e tentativas. A tragédia ocorreu em 2018, na avenida Osório de Paiva, em Fortaleza.

A decisão considera que houve dolo eventual — quando não há a intenção, mas assume-se o risco do ato. A sentença acata a denúncia apresentada Ministério Público do Ceará (MPCE). 

O réu, que trabalhava para uma empresa de eventos, estava embriagado quando conduziu caminhão com mais de 2 mil quilos de equipamentos. 

Relembre o caso

Em 30 de julho de 2018, embriagado, o motorista de caminhão Fabiano Queiroz da Silva perdeu o controle do automóvel e atingiu 19 veículos, entre carros e motos.

Os pedestres José Francisco Viana Lopes, de 63 anos, e Débora da Silva Pinheiro, de 38 anos, morreram no local, e oito sobreviventes sofreram lesões corporais. 

Fabiano foi preso em flagrante e acusado de 30 crimes. Câmeras flagraram o episódio. Dois anos e meio após o fato, Fabiano foi pronunciado, ou seja, a Justiça decidiu que ele iria a júri.

Denúncia do MPCE

Na denúncia, o promotor de Justiça Marcus Renan Palácio aponta que o réu ingeriu bebida alcoólica em horário de expediente. O motorista saia de um evento onde havia prestado serviço quando provocou o acidente.

“Ao lançar-se com veículo em alta velocidade, em via pública, após ingerir bebida alcoólica, o agente consentiu com os resultados deletérios que produziu, de modo a incidir, na sua conduta, o dolo eventual", avaliou. 

"Ele colidiu com o veículo sob sua direção em inúmeros outros (carros e motos) e, ainda, atropelou pedestres e motoqueiros, os quais, como a seguir é dado a conhecer, vieram, em decorrência, a falecer, enquanto outros sobreviveram”, enfatizou.