Jovem que morreu prensada por ônibus em terminal do Siqueira tinha 20 anos e sonhava ser enfermeira

O velório e enterro de Joyciane Silva estão programados para ocorrer em Maranguape (CE)

Escrito por João Lima Neto, joao.lima@svm.com.br

Segurança
Joyciane Silva tinha apenas 20 anos
Legenda: Joyciany Silva tinha apenas 20 anos
Foto: Reprodução/Instagram

Maria Joyciane Ferreira da Silva, 20, morta após ser "prensada" por um ônibus na entrada do Terminal do Siqueira, era natural de Canindé (CE). Segundo familiares da jovem, ela foi criada como filha por tios na cidade de Maranguape, Região Metropolitana de Fortaleza. A jovem era atendente de telemarkerting e sonhava em concluir o curso de enfermagem

A rotina de Joyciane era entre amigos, trabalho e família. Aos fins de semana, ela visitava a mãe biológica em Fortaleza. 

Maura Lúcia, mãe de Joyciane Silva, contou que a filha trabalhava de 8h às 14h. Todos os dias ela pegava três ônibus para sair do trabalho, em Fortaleza, e chegar em casa, em Maranguape. A jovem foi contratada recentemente como atendente de telemarketing .

"Todo dia ela fazia esse mesmo percurso. Ela pegava três ônibus. Ela passava no Terminal da Lagoa, depois no Siqueira para depois pegar o Maranguape. Ela sempre chegava 15h40. Ontem, todo mundo ligando, e ela nada de atender", detalhou a mãe da jovem. 

Mãe de Joyce esperava jovem em parada de ônibus

No dia do acidente, a mãe Joyciane ficou preocupada pela filha não atender as diversas chamadas telefônicas."Fui esperar na parada e nada".

Por volta de 17h30, Maura Lúcia viu notícias nas redes sociais sobre uma mulher que havia morrido no Terminal do Siqueira. "Eu fiquei louca. Pensei: 'Meu Deus! Será que a Joyce?'. Meu irmão me acalmou dizendo que não era ela. E eu perguntava porque ela não atendia".

Uma tia de Joyciane conseguiu ligar para o telefone da jovem, horas depois do ocorrido. Ela falou com um policial que informou sobre o falecimento no Terminal do Siqueira. 

A morte dela acabou com a gente. Ela era cheia de sonhos. Estava dizendo que ia tirar a carteira (CNH). Estava feliz por tá trabalhando. Ela era aprendiz e tinha sido contratada recentemente pela empresa em que ela trabalhava. Estava muito feliz, cheia de planos. Ia fazer a faculdade de enfermagem, que ela tinha iniciado, parou, e ia iniciar de novo. É uma tragédia muito grande. Para família fica o vazio e a dor que nunca vai passar.
Maura Lúcia
Mãe de Joyciane Silva

Na manhã deste domingo (22), a família ainda realiza os trâmites, junto à Perícia Forense do Estado do Ceará (Pefoce), para liberação do corpo. O velório e enterro de Joyciane Silva estão programados para acontecer, na segunda-feira (23), 8h, na cidade de Maranguape.

Tentativa de resgate

O acidente com Joyciane ocorreu por volta das 15h. O veículo fazia a linha 052 (Grande Circular 2). Ela foi "prensada" contra as grades por um ônibus na entrada do equipamento em passagem entre plataformas. A morte foi confirmada pelo Corpo de Bombeiros.

Segundo nota da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), socorristas do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) ainda tentaram desprender e salvar a mulher, mas ela não resistiu aos ferimentos e morreu no local. Pouco depois, peritos recolheram o corpo da vítima.

Em vídeos que circulam no WhatsApp, também é possível ver agentes da Guarda Municipal na área, que foi isolada por fitas e cones.

A Empresa de Transporte Urbano de Fortaleza (Etufor) lamentou, por nota, o ocorrido e informou que "está colaborando para a apuração dos fatos". Ainda segundo o órgão, "imagens do circuito interno de videomonitoramento serão disponibilizadas para a perícia".

'Condolências'

Também em nota enviada à reportagem, o Sindiônibus disse que lamenta o ocorrido e "presta condolências à família da vítima".

"A entidade informa que está à disposição para colaborar com o caso e prestar quaisquer esclarecimentos, e que irá aguardar o resultado da perícia", continuou o comunicado.