Após 21 anos, família de ciganos vai a júri popular por assassinatos em Itapajé, Interior do Ceará

Pai, mãe e filho, que passaram 17 anos foragidos, colaboraram com outro cigano no assassinato de duas pessoas e na tentativa de outro homicídio

Entrada do Palácio da Justiça, do TJCE, em Fortaleza
Legenda: Pronunciamento dos réus aconteceu em 2018 pelo TJCE
Foto: Natinho Rodrigues

Começa nesta terça-feira (26) o júri popular da família de ciganos que matou duas pessoas e deixou outra tetraplégica em Itapajé no ano 2000. Segundo o Tribunal de Justiça do Estado do Ceará (TJCE), a Comarca do Município ouvirá os réus e testemunhas por videoconferência, em julgamento que deve durar dois dias.

Os acusados são Francisco Augusto Costa, o Alfredo Cigano, Maria Ziulan da Costa, a Cigana, e Francisco Gleyson Costa, o Gleissinho. Trio ficou foragido por 17 anos, até ser preso em 2017

Francisco Augusto Costa, o Alfredo Cigano, Maria Ziulan da Costa, a Cigana, e Francisco Gleyson Costa, o Gleissinho.
Legenda: Mãe, filho e pai foram presos em 2017 na zona rural de Canindé
Foto: Reprodução/Polícia Civil do Ceará

O Tribunal do Júri será presidido pela juíza Juliana Porto Sales. A magistrada já condenou um quarto envolvido nos assassinatos em 2017. Flávio Cigano foi condenado a 23 anos e quatro meses de prisão em regime fechado. 

O pronunciamento dos réus foi dado em 2018. Conforme a determinação da juíza titular da 1ª Vara da Comarca de Itapajé, "diante da prova da materialidade do crime e indícios de autoria, deve a denúncia ser admitida e, por conseguinte, os réus pronunciados".

Relembre o caso 

As mortes e a tentativa de homicídio aconteceram em 29 de julho de 2000 próximas a um bar em Itapajé. Uma mulher teria sentado em cima do carro de uma das vítimas, que não gostou e foi ofendida pelo trio de ciganos. 

Em meio à briga, o dono do veículo e dois amigos foram baleados por Flávio Cigano, que contou com o apoio de Alfredo Cigano, Cigana e Gleissinho. 

As vítimas foram Carlos César Barroso Magalhães, que tinha 22 anos, e José Wilson Barroso Forte Júnior, à época com 27. O terceiro baleado, Maxwell Magalhães Caetano, com 23 anos na ocasião, sobreviveu, mas ficou tetraplégico.

O caso ganhou repercussão nacional e chegou a ser simulado em 2001 no programa "Linha Direta", da TV Globo, que conversou com testemunhas e as famílias das vítimas.

Prisão dos ciganos 

Flávio Cigano foi o primeiro preso, ainda no ano 2000, meses após o crime. Já Alfredo Cigano, Cigana e Gleissinho empreenderam uma fuga que durou 17 anos. 

No dia em que foram localizados, os ciganos disseram não esperar mais por uma incursão policial. Eles teriam confessado as duas mortes e entregaram uma arma municiada, que mantinham no local onde moravam. 

O trio foi preso no Distrito de Anajá, na Zona Rural do município cearense de Canindé, durante diligências da "Operação Contra o Tempo".

O nome da ofensiva fazia menção ao pouco tempo que restava aos investigadores para elucidarem o crime, que prescreveria em três anos. 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre segurança