Plano de Segurança para eleições mira origem de conteúdos falsos

Ministro da Justiça e Segurança Pública, André Mendonça, garante que a Polícia Federal comprou equipamentos que permitem identificar a origem da disseminação de notícias falsas, durante as eleições municipais deste ano

Legenda: Luís Roberto Barroso, do TSE, ontem, durante entrevista sobre a segurança para eleição
Foto: TSE

O ministro da Justiça e Segurança Pública, André Mendonça, afirmou, ontem, ao explicar o Plano Integrado de Segurança para as eleições, que a Polícia Federal tem instrumentos para identificar disseminadores de notícias falsas. Ele também pediu que os cidadãos colaborem com o processo eleitoral.

"Nosso pedido é que todos os cidadãos, todas as pessoas, colaborem com a lisura do processo eleitoral. O exercício da cidadania pressupõe isso, ou seja, que grupos que queiram se organizar para disseminar notícias falsas não o façam, porque se o fizerem e houver um elemento indicativo que chegue à Polícia Federal dessa situação, hoje a PF tem condição de detectar a origem, os participantes e, à luz das investigações, iniciar um processo de natureza criminal perante à própria Justiça eleitoral", disse Mendonça.

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luís Roberto Barroso, destacou que o TSE está engajado no combate às fake news e disse ter ficado alegre com a afirmação de Rolando Alexandre de Souza, diretor da PF.

"Nós estamos muito empenhados nesse enfrentamento e com alegria tive a notícia do diretor geral da Polícia Federal que a PF já tem programas capazes de identificar, em muitas situações, qual é a origem da disseminação de notícias falsas", disse Barroso.

Facções

Apesar do otimismo demonstrado, nenhum deles deu muitos detalhes sobre as ferramentas para identificar conteúdos falsos. O ministro da Justiça afirmou que os estados organizaram matrizes para identificar onde há mais perigo de ocorrências de crimes eleitorais e citou alguns dos mais comuns, como boca de urna e compra de votos. Barroso, que elogiou o sistema, também destacou outros tipos de crimes, como os que envolvem milícias e facções.

"O sistema de segurança pública está se aparelhando para enfrentar não apenas a criminalidade analógica tradicional, que são os crimes de boca de urna, de compra de votos, de transporte de eleitores, mas temos outros problemas graves que precisam ser monitorados e enfrentados, como os crimes relacionados ao processo eleitoral, os crimes de ameaça, os eleitores que são coagidos por milícias e, sobretudo, o grande fenômeno do nosso tempo que é a criminalidade via internet".

Questionado sobre o risco de ataques de milícias e assassinatos de candidatos, como os recentemente ocorridos na Baixada Fluminense, André Mendonça disse que o trabalho da PF em relação às milícias é realizado independentemente das eleições. "Posso dizer que o combate ao crime organizado e às milícias é uma prioridade desse ministério da Justiça. Não só nas eleições", disse o ministro.

O sistema de segurança para as eleições deste ano deve ser atualizado em tempo real por todos os 26 estados em que haverá eleição.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre política

Assuntos Relacionados