Indicação de Moro para Ministério da Justiça divide opinião de políticos cearenses

Alguns parlamentares cearenses disseram que presidente eleito acertou, enquanto que outros dizem que o juiz "vestiu a carapuça"

O juiz Sérgio Moro aceitou indicação do presidente eleito Jair Bolsonaro para assumir a pasta da Jusitça, o que gerou discussão nos bastidores da política entre aqueles que são favoráveis e os que são contrários ao ato. Alguns parlamentares cearenses disseram que o presidente acerto ao indicar o magistrado para a psta, outros disseram que Moro "vestiu a carapuça".

>Lula já usa 'Moro ministro' para apontar perda de imparcialidade em julgamento
>Confira reações ao anúncio de Sérgio Moro como superministro
>Futuro ministro da Justiça, Moro já declarou que 'jamais entraria para a política'
>Moro prendeu Lula e ganhou status de herói; leia perfil do superministro

Há ainda aqueles que demonstram preocupação com o andamento da Operação Lava Jato. O deputado Capitão Wagner (PROS) afirmou que não há intenção política nas decisões de Sérgio Moro, pois se assim o fosse, ele teria sido candidato a um cargo político quando das eleições, visto o apoio popular. "É uma indicação estratégica, não de partido A ou B. Essas reclamações são mais dor de cotovelo de quem perdeu a eleição e foi atingido pela Lava Jato". 

"A carapuça caiu", disse o deptuado Dedé Teixeira (PT). De acordo com ele, o juiz Sérgio Moro demostra ter um papel mais político que jurídico, "o que ocasionou muitas injustiças, como a prisão do presidente Lula". Presidente do PT, o deputado Moisés Braz afirmou, em publicação nas redes sociais que "a máscara de Sérgio Moro cai agora em definitvo". "O “aceito” de Moro evidencia o que sempre esteve claro na sua conduta como magistrado: lado na política".

Fernando Hugo (PP) destacou que Moro é um profissional brilhante e que defenderá a Justiça e Segurança Pública do País. No entanto, lamentou que a operação Lava Jato não foi ainda concluída. "A Lava Jato perderá demais", disse. Já Augusta Brito (PCdoB) chamou de "suspeita" a indicação, afirmando ainda que as decisões do magistrado no passado não foram feitas de forma imparcial. 

 

 


Assuntos Relacionados