Cúpula do Clima tem início com discursos de Bolsonaro e outros líderes; acompanhe ao vivo

Evento virtual é organizado pelos Estados Unidos

foto
Legenda: O presidente Jair Bolsonaro discursa na Cúpula dos Líderes sobre o Clima
Foto: Agência Brasil

Líderes mundiais se reúnem a partir desta quinta-feira (22) na Cúpula dos Líderes sobre o Clima, evento virtual organizado pelos Estados Unidos para discutir ações e meta para mitigar a crise climática. O presidente Jair Bolsonaro (sem partido), discursou e prometeu diminuir emissões.

A cúpula reúne 40 chefes de estado e ocorre até sexta-feira (23). A brasileira Sinéia do Vale, líder indígena do povo Wapichana, está entre os convidados. Sinéia irá representar o Conselho Indígena de Roraima e afirmou ao portal UOL que irá discursar sobre a perspectiva indígena do aquecimento global.

A Cúpula tem início no Dia da Terra, celebração mundial para estimular a consciência para os problemas da contaminação, degradação e devastação ambiental. Os líderes devem estabelecer metas para cortar a emissão de gases poluentes e medidas para cumprir o Acordo de Paris, por exemplo. 

O evento deve ser uma espécie de preparação para a Conferência das Nações Unidas sobre Mudança do Clima, a COP-26, que ocorre entre 1º e 12 de novembro em Glasgow, na Escócia. 

Joe Biden, presidente dos Estados Unidos, anunciou a meta de cortar as emissões de carbono em 52% até 2030, em seu discurso de abertura da Cúpula. 

Na terça-feira (20), a União Europeia chegou a um acordo climático provisório para a redução de pelo menos 55% nas emissões líquidas de gases do efeito estufa até 2030.

Discurso de Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro discursou por três minutos e reafirmou o comprometimento em acabar com o desmatamento ilegal até 2030, medida anunciada em carta enviada a Joe Biden em 14 de abril. 

O evento ocorre em meio a pressão interna e externa sob a condução das questões ambientais por Bolsonaro e Ricardo Salles, ministro do Meio Ambiente. 

Na terça-feira (20), fiscais do Ibama e do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e outros servidores publicaram uma carta na qual afirmam que "todo o processo de fiscalização e apuração de infrações ambientais encontra-se comprometido e paralisado" devido a um recente ato publicado pelo governo.

Nesta quarta-feira (21), o termo "#ForaSalles" ficou em alta no Twitter, com pedidos para que o ministro deixe o cargo. 

Em abril, o então superintendente da Polícia Federal do Amazonas, Alexandre Saraiva, enviou notícia-crime ao Supremo Tribunal Federal, apontando que Ricardo Salles atua para dificultar a fiscalização do desmatamento. Na semana passada, o diretor-geral da PF decidiu tirar Saraiva da chefia. 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre política