Confira três ideias para começar um negócio com mil reais

Os cuidados com equipamentos caros e com preços sem competitividade são pontos que devem chamar a atenção do emprendedor

Empreendedorismo
Legenda: Antes de começar a direcionar o investimento, é necessário passar pela fase de pesquisa de mercado
Foto: Shutterstock

Começar um negócio com mil reais é totalmente possível seguindo três requisitos básicos: organização, planejamento e estrutura. Sendo assim, para abrir uma empresa com pouco dinheiro é preciso escolher uma estratégia que combine o negócio com interesses do empreendedor. 

A analista executiva do Sebrae, Alice Mesquita, apresentou três ideias de negócios que precisam de pouco investimento e possuem um bom potencial de lucro. Ela comenta ainda quais são os principais erros de quem está começando. Confira!

Investir de forma correta 

Antes de começar a direcionar o investimento, é necessário passar pela fase de pesquisa de mercado. Nessa fase, é possível entender o potencial do negócio, as habilidades do empresário e quanto será necessário investir em equipamentos.  

Alice alerta ser preciso tomar cuidado com empreendimentos que precisam de equipamentos de custo elevado. “Os R$ 500 ou R$ 1.000 (disponíveis para o negócio) devem ser investidos nos produtos a serem vendidos ou na matéria-prima necessária”, alerta.  

Além disso, a analista afirma ser necessário procurar uma atividade na qual o empreendedor tenha habilidade, já que, no início, a mão de obra é do próprio empresário. "Se precisar de algum curso, veja se tem disponível gratuitamente na internet e melhore suas técnicas", recomenda Alice.

3 Negócios de baixo custo 

Alice Mesquita destacou três áreas que são promissoras para quem tem desejo de empreender com pouco investimento. Mas, vale ressaltar que é preciso ter habilidade e, principalmente, paixão pela área escolhida para que a trajetória do negócio seja de sucesso. Veja as áreas: 

1. Gastronomia

Nesse nicho, o empresário deve ter a habilidade necessária para fazer os produtos, que podem ser salgados, bolos, cupcakes, entre outros. É preciso tomar cuidado com o desperdício dos materiais.  

2. Artesanato ou economia criativa

O empreendedor pode realizar atividades manuais como bijuterias, decorações, cartões de presente, cestas de café da manhã, entre outros.  

3. Revendas

Já neste tipo de negócio, o empresário pode investir mais de 50% do capital inicial em produtos para revenda, mas deve prezar pela qualidade do que vende.  

Discriminação das despesas 

Alice aconselha que o empresário anote todas as despesas necessárias para começar e manter o negócio. “Todos os detalhes necessários para a qualidade do produto precisam estar descritos na agenda do profissional para ele ter o preço de venda ideal”, afirma. 

Inclusive, o preço de venda é um fator determinante para o sucesso do negócio. Afinal, o lucro do empresário vai depender desse elemento. “O lucro inicial pode ser pouco, mas deve ter potencial de crescimento com o tempo para poder manter o empresário”, explica Alice.  

Outra questão destacada por Alice é que com o boom dos negócios virtuais, é preciso pensar na entrega. “Qual o canal você deve utilizar para fazer a entrega? Vai usar o que já existe ou tem o próprio? Quanto vai custar essa entrega? Pense e anote os custos antes”, explica. 

Principais erros de quem começa

O principal erro na hora de começar um negócio com mil reais, segundo a analista do Sebrae, é investir mais da metade do recurso com equipamentos e acabar faltando matéria-prima. Por isso, é preciso ter atenção no negócio: se ele exigir equipamentos caros, talvez não seja a hora de iniciar esse projeto.  

Além disso, o empresário precisa conhecer o público-alvo do seu negócio, tendo em vista que não adianta abrir uma empresa, com pouco investimento, que não tenha consumidor naquele bairro ou na cidade.  

Uma pesquisa de preço também é o segredo para sair na frente da concorrência nos primeiros meses do empreendimento. “O seu produto precisa ser competitivo e o empresário precisa redobrar a atenção na qualidade do que oferece”, explica Alice. 

Ela recomenda também não esquecer de divulgar o produto, principalmente na internet, mas com atenção ao tempo destinado ao relacionamento com o cliente. 

“O empresário precisa dedicar um tempo a página que ele criou para o produto. Nessa página, devem ter informações adicionais, detalhes e dicas para agregar valor. Além disso, crie uma campanha dentro das redes sociais para convidar amigos e aumentar a visibilidade da marca”, orienta. 

Quero receber conteúdos exclusivos do Vem Empreender