Paciente com suspeita de Covid aguarda mais de 24h em fila de serviço de telemedicina

Com o crescimento do número de casos, os sistemas que ofertam o atendimento a distância registraram alta no tempo de espera

Paciente ouvindo médico amigável via smartphone móvel em casa
Legenda: O homem só conseguiu conversar com um médico mais de 48 horas após a primeira tentativa
Foto: Shutterstock

Um paciente aguardou, na última sexta-feira (7), cerca de 24 horas na fila do serviço de telemedicina do plano que possui para ser atendido. O publicitário Maurício Debon acessou a ferramenta por volta das 8h, e já tinha outras 3.500 pessoas em espera por atendimento, um dia depois ele ainda aguardava a vez, sendo o 747º na fila. As informações são do jornal Folha de S. Paulo

Ele só conseguiu conversar com um médico no domingo (9), mais de 48 horas após a primeira tentativa. Debon teve contato com uma pessoa que recebeu o disgnóstico positivo para Covid-19 e apresentava sintomas gripais leves, como tosse, dor de cabeça e fadiga. 

O atendimento serviria para ele relatar o quadro de saúde e ser encaminhado para realizar um teste, através do plano de saúde, que revelaria se havia sido infectado com o coronavírus.

Agora, o publicitário enfrenta outro obstáculo para receber o diagnóstico: uma vaga disponível em laboratórios para conseguir realizar o exame. O horário mais próximo que ele encontrou foi na próxima quinta-feira (12). "Até lá, já devo estar bem", disse à publicação.

O contato com pessoas que testaram positivo para a doença também foi o que motivou a assistente administrativa Amanda Silva a procurar pelo serviço de atendimento a distância. Ao entrar na fila, às 18h30 da última sexta-feira, havia mais de 4.600 pessoas na frente dela.

No dia seguinte, sábado (8), às 12h, ela ainda aguardava para falar com um médico. Após a longa espera, decidiu desistir e procurar uma clínica para realizar o exame. 

"Todos os hospitais e clínicas estão lotados no Rio de Janeiro. Eu não queria me expor e nem expor mais gente, mas tive que vir porque na telemedicina não consegui ser atendida", relatou ela, que estava com sintomas leves e desejava ser encaminhada para realizar o exame através do plano de saúde. 

Sobrecarga do sistema

O Portal Telemedicina — plataforma que conecta médicos a clínicas que oferecem consultas online — informou que o tempo de espera dobrou em relação ao registrado no auge da pandemia, assim como o volume de demanda.

Segundo a corretora 3 SEG, os usuários dos planos de saúde que a empresa atende têm relatado tempo de espera entre 4 e 6 horas no atendimento remoto e nos pronto-socorros. Para tentar evitar sobrecarga a empresa declarou à publicação que tem emitido alertas e informativos aos clientes para atualizá-los.

A Associação Brasileira de Planos de Saúde (Abramge) informou, à Folha, que a telemedicina e consultas médicas fora do ambiente hospitalar são responsáveis por dar a boa parte da demanda, ainda que o serviço esteja sobrecarregado.

"São, portanto, imprescindíveis para evitar uma maior lotação e os consequentes inconvenientes e riscos de contaminação em salas de espera de prontos-socorros igualmente acima da capacidade", declarou a entidade ao jornal paulista.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o Brasil