46 mandados de prisão cumpridos contra novos membros da GDE

A operação foi deflagrada ontem, em Fortaleza, Região Metropolitana e Interior do Ceará. Dentre os alvos da Polícia Civil, 21 já estavam em unidades prisionais do Estado, respondendo por outros crimes

Legenda: Delegados se reuniram ontem, na sede do Code, para repassar o resultado da ação à imprensa
Foto: Rodrigo Gadelha

A grandiosidade das facções criminosas no Ceará pode ser vista ontem, novamente, por meio dos resultados de uma operação deflagrada pela Polícia Civil, em Fortaleza, Região Metropolitana e Interior do Estado. Após pouco mais de dois meses de investigação, foram cumpridos 46 mandados de prisão em 15 municípios do Ceará. Todos os alvos das diligências são recentes filiados a facção criminosa Guardiões do Estado (GDE)

Dezessete pessoas foram capturadas e 21 mandados de prisão cumpridos contra internos do Sistema Penitenciário, que estão distribuídos nas unidades prisionais do Estado. O resultado da 'Operação Aditum', nome que, em latim, significa 'ingresso', foi divulgado na tarde de ontem, durante coletiva de imprensa no Complexo de Delegacias Especializadas (Code), onde está funciona a Delegacia de Combate às Ações Criminosas (Draco), responsável por investigar a atuação dos recém-ingressos no grupo criminoso.

De acordo com o titular da Draco, delegado Harley Filho, alguns suspeitos do bando já respondiam por uma série de crimes, como homicídios e expulsões de famílias das suas residências. As autoridades não descartam que parte da quadrilha tenha participado dos ataques contra a Segurança Pública, registrados nos meses de janeiro e fevereiro deste ano.

A Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) informou que os trabalhos tiveram início a partir da prisão de um integrante do grupo, no último mês de janeiro. O homem seria o responsável por fazer o cadastro de novos membros da organização. Com os depoimentos do investigado e informações obtidas no celular dele, foi possível desvendar a 'teia criminosa' que estava por trás.

Investigação

No início de fevereiro de 2019, segundo antecipado com exclusividade pelo Diário do Nordeste, o Departamento de Inteligência Policial (DIP) encontrou 343 imagens de recém-ingressos à organização criminosa no celular de Antônio Cristiano de Andrade Costa, o 'Centenário', 24. As fotos eram acompanhadas do cadastro, com nome, apelido, local de atuação, padrinhos dentro da facção, data de adesão e o contato.

Cristiano confessou que realizava o cadastro. Ele ficou conhecido como 'RH' da GDE. Ainda por meio da investigação, a Polícia descobriu que o ingresso na organização se dava de maneira fácil e rápida. Bastava o interessado enviar seus dados e passar por uma avaliação dos criminosos, caso nenhum membro da Guardiões discordasse, o 'batismo' já acontecia no dia seguinte.

Harley Filho destacou que os alvos da operação integram a 'ponta' da facção criminosa: "A ação é para desestimular essas pessoas que são facilmente cooptadas para entrar nas facções. Os crimes violentos cabem à essas pessoas, que são facilmente substituídas", finalizou.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre segurança