'Governador não assegurou que Nelson seria cabeça de chapa', diz Luizianne sobre aliança com PDT

Ela afirmou, ainda, que o problema não é uma aliança com a legenda pedetista, mas com as principais lideranças do partido

fotografia
Legenda: Lins disse que abriria mão de sua candidatura se o governador tivesse dado garantias de que Nelson seria o cabeça de chapa numa aliança entre partidos da esquerda, inclusive com o PDT
Foto: Câmara dos Deputados

A deputada federal Luizianne Lins (PT), que é pré-candidata à Prefeitura de Fortaleza, voltou a afastar a possibilidade de uma aliança com o PDT, mesmo após o governador Camilo Santana (PT) ter expressado publicamente o desejo de uma acerto entre o PT e a legenda de Cid e Ciro Ferreira Gomes para a formação de uma candidatura unificada da esquerda na Capital. 

A manifestação foi feita nesta segunda-feira (27), durante o lançamento de uma plataforma de participação popular para a construção de um programa de governo da pretensa candidata para as eleições em Fortaleza. Um link para preencher formulário foi disponibilizado nas redes sociais de Luizianne Lins, por meio do qual a população pode sugerir políticas para diferentes áreas, como Educação, Saúde, Meio Ambiente, entre outras.

“Em nenhum momento o governador me assegurou que o Nelson (Martins) seria o grande catalisador, o cabeça de chapa. E o PT nacional estabeleceu que não vai abrir mão da cabeça de chapa em Fortaleza. Se eu fosse o problema, estaria resolvido”, ressaltou Lins.

Ela destacou, ainda, que o problema não seria o PDT, mas as principais lideranças do partido. Lins acrescentou que conversou com o governador sobre a viabilidade do nome do ex-assessor especial de Relações Institucionais do Governo Nelson Martins (PT), exonerado no início de junho por Camilo de olho nas eleições municipais, e que deixou claro que abriria mão de sua candidatura se o chefe do Executivo Estadual desse garantias de que Nelson seria cabeça de chapa.

"Ele entendeu muito que eu eu deixaria a candidatura à disposição do projeto. Eu não seria empecilho para embarcar uma candidatura contra o status quo que está aí. Não há dúvidas sobre isso. Agora, se o Nelson não se viabiliza como candidato (da cabeça de chapa), o problema não é meu", afirmou.

Alianças

Na ocasião, o presidente do PT Fortaleza, vereador Guilherme Sampaio, destacou que o partido irá iniciar, nesta semana, uma série de conversas com lideranças de partidos de esquerda para a formação de alianças em torno da pré-candidatura de Luizianne  Lins na Capital. No entanto, ele reconhece que muitos devem lançar candidatos ao Paço Municipal no primeiro turno para tentar atingir o quociente eleitoral para eleger postulantes ao Legislativo.

"Na última semana, já foi iniciada uma rodada de conversa com alguns partidos e com a executiva do PT, para garantir a nossa tese de segundo turno. E temos algumas conversas agendadas para essa semana, vamos dialogar com o PCdoB, Psol, UP, PSTU... Com os partidos que estão conosco no Congresso Nacional contra o Bolsonaro", destacou.

Questionado sobre um possibilidade de aliança com o MDB, do ex-senador Eunício Oliveira, que apoiou o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff em 2016, Sampaio tentou desconversar, mas não descartou a opção.

"Nós temos uma linha ideológica, e eles (a executiva nacional) vão querer o apoio de quem acredita no nosso projeto de futuro para a cidade e, ao mesmo tempo, tem posicionamento antifascista. Esse diálogo com o MDB não está colocado, mas todos os partidos que nos procurarem, dialogaremos", finalizou.