Exibição de aliados e ataques marcam 1º dia de propaganda na TV

Na Capital, os dois candidatos adotaram estratégias diferentes na abertura do horário eleitoral no segundo turno. Sarto Nogueira (PDT) usou o tempo para mostrar alianças, enquanto Capitão Wagner (Pros) adotou tom mais incisivo

O primeiro dia do horário eleitoral gratuito na TV no segundo turno foi marcado por diferentes estratégias para tentar conquistar o voto dos eleitores de Fortaleza. Ontem (20), o candidato Sarto Nogueira (PDT) utilizou o seu tempo de propaganda para mostrar alianças e propostas, enquanto Capitão Wagner (Pros) adotou um tom mais incisivo, com ataques ao adversário pedetista.

Nos cinco minutos da propaganda em bloco na TV, Wagner começou agradecendo os votos recebidos no primeiro turno e logo partiu para ofensiva direta contra o adversário, comparando, por exemplo, como cada um deles votou alguns projetos importantes na Assembleia Legislativa e outras matérias mais recentes.

O postulante do Pros também buscou mostrar a sua participação na paralisação da PM de 2012, dizendo que o então governador Cid Gomes (PDT) se negava a negociar melhorias de trabalho para a categoria. "Ali surgiu Capitão Wagner, com muito orgulho", destacou o candidato do Pros.

Além disso, ele ainda falou sobre a sua participação no motim da PM ocorrido neste ano, ressaltando que o movimento foi espontâneo e tinha "outros líderes à frente".

"Eu vim de Brasília apenas para ajudar nas negociações com o governador", enfatizou, acrescentando que a "história de líder" era para lhe "desgastar na eleição".

O candidato do Pros fez um aceno ainda para aos eleitores de Luizianne Lins (PT), ao relembrar ataques sofridos pela petista no primeiro turno. "No primeiro turno, o candidato dos Ferreira Gomes tinha três vezes mais tempo de TV. E usou esse tempo a mais para me ofender, mentir e ofender covardemente a candidata do PT", pontuou.

Assista ao PontoPoder Eleições

Sarto

Já a primeira propaganda de Sarto teve outra tônica e um fator novo: a participação do governador Camilo Santana (PT). O pedetista também alfinetou o adversário, dizendo que o "candidato do Bolsonaro em Fortaleza" está no "vale tudo pelo voto" e apresentou propostas à população. "A gente sabe que não é com ódio, fake news e distorcendo a verdade que se resolvem os problemas, principalmente na pandemia", afirmou, ao agradecer os votos recebidos no primeiro turno.

Entre as propostas, Sarto destacou que vai "implantar o programa de enfrentamento à pandemia, garantir vacinação para todos, criar centros de acolhimento para quem não pode fazer o distanciamento em casa. E em parceria com o Governo do Estado, ampliar a realização de testes (de Covid-19) e a rede de Saúde: com duas UPAs, duas policlínicas e 18 novos postos de saúde".

Além disso, o presidente da Assembleia Legislativa pediu respeito às normas sanitárias, "enquanto a vacina não chega". Ao aparecer na campanha, o chefe do Executivo Estadual pediu voto a Sarto, dizendo que é necessário evitar a "intolerância" em Fortaleza.

Tempo

No segundo turno, os dois postulantes têm o mesmo tempo de propaganda eleitoral. No rádio, o horário eleitoral gratuito vai de 7h às 7h10 e de 12h às 12h10, enquanto na TV é de 13h às 13h10 e das 20h30 às 20h40 - de segunda a sábado. Eles também têm direito a inserções de 30 ou 60 segundos ao longo da programação.

Agenda

Na agenda de campanha, os candidatos têm reservado um bom tempo para gravação de propaganda eleitoral. A disputa entre os dois candidatos em Fortaleza deve ficar mais acirrada, com o tom sendo elevado entre eles, como já demonstraram no primeiro dia de horário eleitoral.

Eles também devem aproveitar o fim de semana para visitar bairros da Capital, a fim de reforçar suas promessas nos principais redutos eleitorais. Sarto, por exemplo, deve visitar obras do metrô com o prefeito Roberto Cláudio (PDT) e o governador Camilo Santana, além de obras do hospital Gonzaguinha do bairro José Walter e do Lago Jacarey.

Já Capitão Wagner vai visitar o corredor comercial do Vila Velha, o Parque Araxá e gravará programa eleitoral.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre política

Assuntos Relacionados