Em posse de Teich, Bolsonaro defende afrouxar isolamento social

Em discurso, o presidente mostrou-se, mais uma vez, favorável à abertura de fronteiras e do comércio e também voltou a criticar governadores. Novo ministro não citou propostas concretas, mas defendeu ações coordenadas

Legenda: Dentre as autoridades presentes na posse, esteve o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta
Foto: Foto: Marcelo Casal Jr/Agência Brasil

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) defendeu, ontem, durante a posse do novo ministro da Saúde, Nelson Teich, a reabertura de fronteiras e comércios no Brasil e voltou a criticar medidas tomadas por governadores no combate à pandemia do novo coronavírus. O novo titular do Ministério da Saúde, por sua vez, não mencionou propostas efetivas, mas defendeu uma maior integração com outras áreas no combate à Covid-19.

"Essa história de começar a abrir para o comércio é um risco que eu corro. Se agravar, vem para o meu colo", declarou Bolsonaro, durante cerimônia de posse do substituto de Luiz Henrique Mendetta (DEM). "O que eu acredito? Muita gente já está tendo consciência de que tem que abrir", complementou.

Na mesma declaração, Bolsonaro afirmou que defendeu junto ao ministro Sergio Moro (Justiça) a reabertura de fronteiras terrestres no Brasil, que estão fechadas em razão da emergência sanitária. "Na minha opinião, começar a abrir as fronteiras. Por que está fechada com o Paraguai? É seca e não temos como fiscalizar. O mesmo com Uruguai".

Bolsonaro investiu novamente contra alguns governadores e disse que jamais mandaria forças de segurança prenderem pessoas que estejam violando regras de quarentena. "Essas prisões, mais que ilegais, atingem a alma de cada cidadão brasileiro. Não podemos admitir isso. Não vou pregar desobediência civil, mas medidas como essas têm que ser rechaçadas".

Supremo

Apesar das críticas, o presidente reconheceu que não pode decidir sobre ações de isolamento social na resposta à crise da Covid-19, uma vez que o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que estados e municípios têm competência para tomar essas medidas.

Bolsonaro disse ainda que, no Governo, qualquer portaria ministerial envolvendo medidas restritivas passará antes pelo crivo da Casa Civil. O presidente citou que havia opiniões diferentes entre ele e Mandetta, o que motivou a demissão do agora ex-ministro.

"A visão do Mandetta, muito boa, é a da saúde e da vida. A minha também é a da saúde e da vida, mas entra também o Paulo Guedes, a economia e o emprego. Desde o começo, eu tinha uma visão que nós devemos abrir o Brasil. O efeito colateral do combate ao vírus não pode ser, do meu ponto de vista, mais danoso do que o próprio remédio", disse.

Teich e Mandetta também falaram na cerimônia. O novo ministro fez um discurso afirmando que fará uma gestão com foco nas pessoas e defendeu ações de combate ao novo coronavírus coordenadas com outras áreas.

"Uma coisa importante que temos que entender é que a Covid abrange todas as atenções, mas tem outras doenças. Se você tem menos acesso, menos diagnóstico, será que não vai prejudicar o diagnóstico de pessoas com câncer? O que vai acontecer quando a pessoa fica em casa com medo de ir ao pronto-socorro e não chega ao hospital?", questionou. "Tem que acompanhar também os indicadores sociais. Se tivermos mais desemprego e pessoas que perderem os planos de saúde, isso vai impactar no SUS".

Foco

Teich iniciou sua fala apresentando sua formação como médico de família e oncologista para dizer que tem contato próximo com pacientes e que sua formação terá foco "nas pessoas". "Por mais que fale em saúde, em economia, o final é sempre gente", disse. "Não podemos esquecer que as pessoas mais frágeis, mais pobres são aquelas que mais vão sofrer. A atenção para as pessoas tem que ser total".

Nelson Teich afirmou que defenderá a visibilidade de mais informações sobre a doença na tentativa de "administrar o comportamento de uma sociedade que hoje está com muito medo".

Em seguida, disse que trabalhará com planejamento para a construção de uma solução para a pandemia, mas admitiu que poderá trabalhar em um cenário de incertezas. "A gente vai ter que trabalhar esse cenário de muita incerteza, mas hoje vemos medicamentos que estão surgindo com muita possibilidade", argumentou o novo ministro.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre política