Bolsonaro admite mudar idade mínima para mulheres na reforma da Previdência

Presidente se mostrou aberto a discutir alterações na proposta enviada ao Congresso

O presidente Jair Bolsonaro admitiu, nesta quinta-feira, alterar pontos da proposta que o Governo enviou, no último dia 20, ao Congresso Nacional para a reforma da Previdência Social. Entre as alterações possíveis, está a regra da idade mínima para mulheres. Em café da manhã com jornalistas, o chefe do Executivo federal sinalizou que a idade mínima pode ser reduzida, na proposta, de 62 para 60 anos.

>'Tudo é negociável' na reforma previdenciária dos militares, afirma Mourão
>Reforma acelera urgência de poupar para a aposentadoria
>
Discurso antipolítica de Bolsonaro emperra aprovação da reforma, diz Rodrigo Maia

A flexibilização da reforma da Previdência para tentar diminuir os focos de resistência à proposta apresentada na semana passada começou a ser discutida entre os aliados do Palácio do Planalto. O primeiro recuo em debate com a oposição trata da aposentadoria do trabalhador rural.

O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, evitou, ontem, comentar mudanças em pontos da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) da Nova Previdência, principalmente o Benefício de Prestação Continuada (BPC) pago a idosos e a aposentadoria rural. "Calma, está sendo negociado, acertado", afirmou.

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, defendeu, nesta semana, que as mudanças no BPC e na aposentadoria rural sejam retiradas da pauta da Previdência e avaliadas separadamente. 

Onyx afirmou que Bolsonaro vai participar ativamente na discussão sobre a reforma da Previdência na sociedade depois do Carnaval. "É muito importante a presença do presidente nesse debate da Previdência", disse o ministro.
 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre política