Morte de ex-PM é fruto de operação policial suspeita, diz especialista em milícias

O sociólogo e estudioso das milícias, José Cláudio Souza Alves, aponta para evidências de que a morte do ex-capitão do Bope durante operação conjunta das polícias da Bahia e do Rio de Janeiro, no domingo (9), seja um exemplo de queima de arquivo

Legenda: Acusado pelo Ministério Público de ser chefe do grupo miliciano que atua na região de Rio das Pedras, zona oeste do Rio, Nóbrega estava foragido havia um ano
Foto: Reprodução/Polícia Civil

Uma operação policial fruto de um ano de trabalho de investigação, inteligência e cooperação que culmina, não com a prisão, mas com a morte de um foragido peça-chave em casos que movimentam a República. Isso é um grande azar ou um caso de queima de arquivo.

O sociólogo e estudioso das milícias, José Cláudio Souza Alves, aponta para evidências de que a morte do ex-capitão do Bope, Adriano Magalhães da Nóbrega, durante operação conjunta das polícias da Bahia e do Rio de Janeiro, no domingo (9), seja um exemplo da segunda hipótese. Uma queima de arquivo.

Acusado pelo Ministério Público de ser chefe do grupo miliciano que atua na região de Rio das Pedras, zona oeste do Rio, Nóbrega estava foragido havia um ano. Localizado na Bahia, ele estava num sítio no município de Esplanada, no interior do estado.

> Adriano da Nóbrega tinha certeza de que queriam matá-lo para queimar arquivo

Na versão das polícias, o ex-PM teria reagido com tiros à ordem de prisão. Ferido, foi levado ao hospital, onde não teria resistido aos ferimentos. Uma funcionária do hospital, no entanto, disse à Folha de S.Paulo que Nóbrega já chegou morto ao local.

"Uma operação de cerco lida mais com paciência, espera, controle e dissuasão do que com um confronto direto", avalia Alves, que é professor da UFRRJ (Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro) e autor do livro "Dos Barões ao Extermínio - Uma História da Violência na Baixada Fluminense" (APPH, 2003), em que remonta as origens das milícias do Rio de Janeiro a partir dos grupos de extermínio que funcionam da região desde os anos 1960. 

Psol vai solicitar audiência na Bahia sobre morte de miliciano

"Estamos falando de um quadro simplificado: um cerco a uma casa no campo. Investiram recursos públicos para desembocar naquilo que é o oposto do desejável. É inacreditável." 

Confira a entrevista com José Cláudio Souza Alves:

Por que a morte de Adriano é suspeita de ter sido um caso de queima de arquivo? 

Ele não estava em Rio das Pedras, na zona oeste do Rio, armado até os dentes e cercado de outros milicianos do seu grupo. Ele não está numa favela, um território com alta complexidade onde não existe nitidez sobre quem é quem, numa configuração espacial urbana que dificulta a operação. Ele estava numa residência em um espaço rural no interior da Bahia. 

Como o fator surpresa estava nas mãos dos investigadores, se o objetivo fosse prendê-lo, os policiais poderiam eleger o momento ideal para isso e fazer um cerco. Não há plausabilidade na situação descrita pela polícia de que ele teria reagido, se ferido e acabado morto. Na minha visão, é uma operação suspeita.

O Adriano era um cara com ampla experiência nesta área. Atuou no Bope. Numa condição de cerco, ele saberia que não teria chance alguma e se entregaria. Tudo indica, portanto, que partiram de um plano para eliminá-lo.

Mas ele pode ter, ainda assim, reagido...

Esse procedimento de cerco lida mais com paciência, espera, controle e dissuasão do que com um confronto direto. E estamos falando de um quadro simplificado, numa casa no campo, e não numa favela ou numa malha urbana, com milhares de variáveis.

Por isso, a suspeita de que a morte de Adriano é um desfecho deliberado, que a operação foi feita com essa intenção.

Segundo o advogado do ex-policial miliciano, Adriano teria dito a ele que não queria se entregar porque sabia que iriam matá-lo. 

A esposa dele já havia dito isso quando a polícia invadiu a casa onde ela estava com as filhas na Costa do Sauipe (BA), poucos dias atrás. Que, pela atitude dos policiais, a intenção era matá-lo e não prendê-lo.

O que destoa é toda uma investigação de inteligência desembocar numa operação assim, que culmina com a morte de alguém capaz de fornecer informação sobre casos envolvendo pessoas tão em evidência. Passa-se um ano atrás dele para capturá-lo porque é uma peça determinante em investigações importantes e o matam?

Investiram recursos públicos para desembocar naquilo que é o oposto do desejável. É inacreditável. Não dá para falar em operação policial de inteligência, mas sim de estupidez e de ignorância.

A quem interessaria essa morte? 

Sabemos que ele teve vínculos diretos com [o hoje senador] Flávio Bolsonaro porque sua ex-mulher e sua mãe fizeram parte do gabinete do filho do presidente Jair Bolsonaro. Sabemos também que Flávio Bolsonaro, então deputado estadual, o homenageou na Assembleia do Rio [com a medalha Tiradentes, a mais alta honraria da Casa], em 2005.

Condenado por homicídio em 2005 [ele depois foi inocentado, mas respondeu por outros crimes], o ex-policial foi louvado pelo então deputado federal Jair Bolsonaro, que o chamou de 'brilhante oficial'.

Sabemos que Fabrício Queiroz [amigo do presidente e ex-motorista de Flávio Bolsonaro] tinha relações com Adriano Magalhães da Nóbrega e com toda a estrutura de Rio das Pedras. Tudo isso aproxima muito a figura dele da família Bolsonaro. E sua morte evita que várias informações sobre esses esquemas e elos venham à tona.

Quem se beneficia com este silenciamento? 

Adriano era uma figura chave em duas questões: a motivação que levou ao assassinato de Marielle e o esquema de rachadinhas que vinculava os gabinetes de vários parlamentares, por meio de suas assessorias, à venda de imóveis clandestinos pelas milícias na zona oeste do Rio de Janeiro.

Tudo leva a crer que uma coisa esteja vinculada a outra. As investigações parecem não ter avançado neste ponto e por isso não sabemos como isso se dava, mas Marielle teria se apresentado como uma ameaça a essa estrutura e por isso teria sido eliminada. 

Todos os que estabeleceram relação com a estrutura de venda de imóveis clandestinos e que são suspeitos de envolvimento com a morte da Marielle se vêem beneficiados porque não existe mais a principal fonte de informações sobre esses casos.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o Brasil