Consolidação da decolagem alvinegra

Legenda: Atleta Charles foi um dos principais destaques do Alvinegro no Clássico-Rei
Foto: Foto: Thiago Gadelha

O Ceará ganhou. Mereceu. E poderia ter construído um placar maior, pois teve as melhores chances. Quanto ao jogo, clássico no nome, não na qualidade. Primeiro tempo amarrado pela "multidão" na faixa intermediária. Só marcação. Uma finalização de Fernando Sobral, sem maiores riscos. E uma de David, após subida em velocidade de Romarinho e Yuri. Quando se imaginava que nada mais de importante aconteceria, houve o lance que fez a diferença. Charles acreditou numa bola quase perdida. E cruzou. Vina, em notável fase, rezou com Charles a mesma crença: chegou, 1 x 0 Ceará. Vina foi mais rápido que Felipe Alves e que Gabriel Dias que tentou fechar. Na fase final, Ceni colocou Osvaldo. O Leão subiu todo, mas infrutífero. Guto optou pelos contra-ataques. O Ceará teve tudo para ampliar, máxime em conclusão de Samuel Xavier, que Felipe Alves espalmou. E outra chance com Vina, em bela jogada também neutralizada pelo ótimo goleiro tricolor. Está provado que o Fortaleza tem dificuldades quando os espaços são reduzidos. As suas jogadas de velocidade não fluem. Ontem houve apenas uma que levou perigo. Pras não foi incomodado na fase final. Merecida vitória do Vozão.

>Veja mais notícias, análises e entrevistas do Clássico-Rei

Questão de Série

Neste terceiro ano seguido de Série A, não há mais como o torcedor cearense aceitar a Série B para os dois maiores clubes daqui da terrinha. A propósito, poucos são os que sabem agora como está a Série B e quem está disputando essa categoria. A verdade é que o foco na Série A nacional leva para si todas as atenções.

Presunção

Pode até mesmo ser arrogância de quem está na elite. É verdade. Mas não há como esconder a diferença de nível. É inacreditável que o futebol cearense tenha passado 16 anos da Série B para baixo. E com dirigentes que aceitavam tal incapacidade. Ouvi vários deles afirmando categoricamente que o lugar do futebol cearense era mesmo a Série B.

Sonhar alto

Ainda bem que houve mudança de postura. Já agora os próprios dirigentes admitem que correto é lutar para permanecer na Série A. E devem já, já, ousar mais. Não ficar eternamente coadjuvante. Por que não pensar no título em futuro próximo? O Bahia ousou e chegou. O Sport ousou e chegou. Sonhar alto faz parte de quem não aceita acomodação.

O Ferroviário deve pensar alto. A Série C é catapulta para a subida coral. O Ferroviário já participou da Série A nacional. Tem nos anais jogos memoráveis do Ferrão contra times famosos. Há um inesquecível contra o Flamengo de Zico no Castelão na década de 1980.

A campanha coral tem sido excelente na Série C. Se ousar um pouco mais subirá, sim, para a Série B. Se subir, que não se acomode. Faça da Série B trampolim para objetivos mais elevados. Pode parecer utopia ver Ferroviário na Série A do Brasileiro. Não é utopia: eu já vi o Ferrão lá.