Seguro de Vida: os novos caminhos do mercado

Como se pode constatar, embora sejam considerados tendências, na prática, esses movimentos já são realidade no nosso mercado de Seguro de Vida

Escrito por Bernardo Castello ,
Diretor da Bradesco Vida e Previdência
Legenda: Diretor da Bradesco Vida e Previdência

Os últimos anos foram um período desafiador e de reinvenção para grande parte dos segmentos da atividade econômica, no Brasil e no mundo. E, quando falamos sobre seguro, não poderia ser diferente. O setor está constantemente se adaptando às novas necessidades dos clientes e personalizando cada vez mais seus produtos e serviços, sobretudo em Seguro de Vida, para oferecer soluções que atendam às necessidades individuais no planejamento e nas metas dos brasileiros. 

Temos visto – e, na medida das nossas possibilidades, contribuído para incentivar – uma crescente mudança no entendimento da sociedade quanto à importância de contar com proteção para os imprevistos aos quais todos nós estamos sujeitos no dia a dia. Não há dúvida de que obtivemos um grande avanço, mas ainda há muito a fazer para ampliar a conscientização e, consequentemente, a penetração dos produtos que podem proporcionar segurança e estabilidade nos momentos de incerteza.  

Recentemente, recebi um interessante estudo da Socotra, plataforma norte-americana de produção de conteúdo para a indústria de seguros, relacionando tendências do mercado para 2023 que corroboram pontos que tenho procurado abordar na minha atuação como executivo e especialista do setor. Dentre elas, destaco:  

Hiperpersonalização: Independentemente do ramo, os consumidores esperam sempre conveniência e as melhores opções na hora de escolher um produto ou serviço. As seguradoras têm a missão de orientar os clientes sobre o seguro ideal para cada momento de vida, oferecendo produtos e serviços simples e intuitivos. Exemplo dessa tendência é o Seguro de Vida, que atualmente oferece diversas coberturas além de morte, como diagnóstico de doenças graves, diária de internação hospitalar, doenças congênitas de filhos, perda de renda por desemprego involuntário, e também grande variedade de assistências personalizadas, como funeral individual ou familiar, residencial, cesta básica, motorista amigo e até pets.  

Clientecentrismo: As seguradoras que oferecerem soluções centradas no cliente, com opções individualizadas e personalizáveis, tenderão a obter melhores resultados, ampliando seu mercado. Mas essa é uma via de mão dupla, em que os dois lados ganham: quanto mais a empresa se pauta pelo cliente, maiores são as possibilidades de que ele receba ofertas mais condizentes com seus desejos, em um processo de retroalimentação. No Seguro de Vida, hoje, são os produtos que se adaptam às necessidades do cliente ao longo do tempo.  

Agilidade: Em um mundo em constante atualização, a capacidade das seguradoras de colocar rapidamente no mercado produtos inovadores e aderentes às reais necessidades de seus clientes será decisiva para a expansão das vendas e sustentabilidade do negócio. Esse desafio envolve a decisão, nem sempre fácil, de abandonar modelos que funcionaram até então, mas que já não se mostram suficientemente ágeis para responder às exigências do mercado. É necessário fazer movimentos estratégicos e avançar em distribuição. 

Seguro integrado: Em 2023, o “embedded insurance”, ou seguro integrado, estará no centro das atenções. É o tipo de seguro que se adquire no ato da compra de um produto ou serviço, e será tão mais aceito quanto mais adequadas forem a conveniência, a flexibilidade e a aderência da proteção às reais necessidades do cliente. No caso do segmento de Vida, um bom exemplo seria a oferta do Seguro Viagem durante o processo de compra de uma passagem aérea.  

Pay-per-use: Tendência crescente no seguro de automóveis nos últimos anos, é um tipo de seguro que permite ao cliente pagar somente durante o período de uso. Em Seguro de Vida, já existem produtos que oferecem coberturas temporárias, mas tudo indica que esse modelo deve se expandir ainda mais, dada a crescente demanda dos consumidores por conveniência e customização, associada à maior capacidade das seguradoras de fazer frente a esse desafio, com avanços no campo da tecnologia e inovação. 

Como se pode constatar, embora sejam considerados tendências, na prática, esses movimentos já são realidade no nosso mercado de Seguro de Vida. Por essa razão, neste exato momento em que você está lendo esse texto, pode ter certeza de que nossas atenções, na Bradesco Vida e Previdência, já estão voltadas para ideias, projetos e soluções que farão as tendências de 2024 e dos próximos anos.  

Alessandro Almeida é diretor comercial da MRV&CO
Alessandro Almeida
18 de Maio de 2024
Professor aposentado da UFC
Gonzaga Mota
17 de Maio de 2024
Christine Muniz é presidente da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia - Seção Ceará (SBOT-CE)
Christine Muniz
12 de Maio de 2024