Pendurado para final, Luiz Otávio não teme nova suspensão: "Receio nenhum. Quero ajudar o Ceará"

Zagueiro recebeu cartão vermelho nas quartas de final da Copa do Nordeste e desfalcou o Vovô no Clássico-Rei

Legenda: "Temos que efetuar da melhor forma, todo detalhe, para não dar brechas. Anular os pontos positivos do Bahia e colocar em prática nossa efetividade lá na frente e defensivamente", analisou Luiz Otávio sobre a decisão
Foto: Felipe Santos/Cearasc.com

Zagueiro e um dos capitães do Ceará, Luiz Otávio deve retornar à equipe titular para o 1º jogo da final da Copa do Nordeste neste sábado (1), às 16h, diante do Bahia. O defensor cumpriu suspensão pelo cartão vermelho que levou nas quartas de final, diante do Vitória, desfalcando o Vovô no Clássico-Rei pela semifinal.

>Veja mais notícias do Ceará

Porém, o camisa 13 ainda pode levar outra suspensão na competição por possuir 2 cartões amarelos. Em caso de 3º na 1ª partida da decisão, é novamente desfalque no jogo de volta. A possibilidade não assusta o atleta, confiante em executar seu papel em campo.

"Eu não tenho receio nenhum, quero ajudar o Ceará, contribuir. Se acontecer, espero que não, alguém está à altura para substituir", disse Luiz Otávio em coletiva antes do confronto.

Para o duelo deste sábado, o jogador foca na constante evolução de desempenho do Ceará diante do Tricolor baiano.

"A gente precisa continuar a melhorar nossos padrões táticos e técnicos. Temos que manter, entrar mais uma vez aguerridos, assim como foi no Clássico. Temos que colocar em prática o que temos trabalhado, porque a final tem 180 minutos e temos que ficar atentos todo esse tempo. Temos que efetuar da melhor forma, todo detalhe, para não dar brechas. Anular os pontos positivos do Bahia e colocar em prática nossa efetividade lá na frente e defensivamente", comentou o zagueiro.

Os dois confrontos da final do Nordestão ocorrem no estádio Pituaçu, em Salvador, com o 2º jogo na terça-feira (4), às 21h30.

Confira outros pontos da coletiva de Luiz Otávio

Expulsão contra Vitória

"Fiz que o que achei que era correto no momento. Lógico que tentei chegar na bola, mas acabei acertando ele. Era uma coisa ou outra. O que garantiu a classificação não foi a expulsão, mas a partida que toda a equipe fez"

Acompanhar a semifinal de fora

"A gente fica nervoso, apreensivo. De fora, não dá pra ajudar de quase nenhuma maneira. O único jeito era incentivando, gritando do lado de fora. Fui um torcedor ali"

Clássico-Rei

"Nossa equipe foi muito aguerrida e, principalmente, o que o futebol exige: efetiva. Fez o gol e soube sofrer a pressão. Mas podíamos ter saído até com um placar melhor se aproveitássemos os contra-ataques no 2º tempo. Mas fica a lição"