Calendário do futebol 2021: veja datas dos campeonatos de Ceará, Fortaleza e Ferroviário

Calendário de 2021 será um desafio para Ceará e Fortaleza. Os dois clubes cearenses na Série A já voltam a campo no dia 6 e 7, disputam mais 10 rodadas até o dia 24 de fevereiro para, quatro dias depois, iniciar temporada 2021, que vai até dezembro, completando 18 meses ininterruptos

Legenda: Se em 2020, foram sete Clássicos-Rei, a tendência em 2021 é que mais jogos aconteçam
Foto: Thiago Gadelha

O calendário do futebol brasileiro para a temporada de 2021 foi definido ainda em agosto pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e o cenário para os clubes é ainda mais desafiador do que 2020. Como a pandemia forçou a CBF encaixar todas suas competições em apenas 5 meses, de 8 de agosto ao fim de dezembro, com os clubes se submetendo a maratonas de um jogo a cada três dias, o cenário para 2021 é complicador. Isso porque as 11 rodadas finais da Série A serão disputadas de 6 de janeiro até 24 de fevereiro e quatro dias depois, os estaduais de 2021 já se iniciam.

Calendário 2021

  • Brasileiro Série A 2020 - Segue de 1º de janeiro a 24 de fevereiro 
  • Libertadores 2020 - Segue de 1º de janeiro a 30 de janeiro
  • Sul-Americana 2020 - Segue de 1º de janeiro a 23 de janeiro
  • Brasileiro Série D 2020 -  Segue de 1º de janeiro a 07 de fevereiro
  • Taça Fares Lopes 2020 - Início: 13 de Janeiro/ Fim: 7 de Fevereiro
  • Campeonato Cearense 2021- Início: 10 de fevereiro / Fim: 23 de maio
  • Libertadores 2021- Início: 16 de fevereiro / Fim: 20 de novembro
  • Copa do Nordeste 2021 - Início: 27 de fevereiro / Fim: 8 de maio
  • Copa do Brasil 2021 -  Início: 10 de março / Fim: 27 de outubro
  • Sul-Americana 2021 -  Início: 17 de março / Fim: 6 de novembro
  • Brasileirão Série D 2021 - Início: 30 de maio / Fim: 14 de novembro
  • Brasileirão Série C 2021-  Início: 30 de maio / Fim: 21 de novembro
  • Brasileirão Série A 2021-  Início: 30 de maio / Fim: 5 de dezembro

Ou seja, para clubes como Ceará e Fortaleza, se confirmarem suas permanências na Série A, não terão tempo hábil para uma pré-temporada, intercalando as disputas da Copa do Nordeste (a partir de 27 de fevereiro), Estadual (ambos iniciando na 2ª Fase em 10 de março) e Copa do Brasil (iniciando em 10 de março), com jogos ininterruptos até 5 de dezembro, data de encerramento da Série A de 2021.

O calendário de Vovô e Leão, que já prevê Campeonato Cearense, Copa do Nordeste, Copa do Brasil e Campeonato Brasileiro, ou seja, quatro competições, ainda pode ter uma 5ª disputa: uma competição da Conmebol.

Hoje, Ceará e Fortaleza, por suas atuais posições na Série A do Brasileiro, têm condições de se classificarem para competições Sul-Americanas. O Vovô é o 10º colocado com 36 pontos e tem chances tanto de uma vaga na Sul-Americana, esta maior probabilidade, já que do 8º ao 13º se classificam, mas também há chance real de vaga na Pré-Libertadores, uma eliminatória antes da fase de grupos, que irão o 6º e o 7º lugar da Série A. Hoje o ocupante do 7º lugar é o Fluminense, com 40 pontos e o Alvinegro está a 4 pontos do time carioca.

Já o Tricolor de Aço é o 14º colocado com 31 pontos e se ganhar mais uma posição até o fim da Série A garante vaga na Copa Sul-Americana.

As classificações de ambos seriam mais datas preenchidas no calendário esportivo e menos semanas cheias de treinos, já que a Pré-Libertadores será iniciada no dia 16 de fevereiro e a Copa Sul-Americana em 17 de março.

Se em 2020 após a retomada do futebol em julho, o Ceará jogou 44 partidas, média de um jogo a cada 3,8 dias e o Fortaleza disputou 37 jogos, um a cada 4,5 dias, sem interrupção entre uma temporada e outra, serão 18 meses de calendário com jogos oficiais.

Planejamento

Assim, os presidentes de Ceará e Fortaleza, afirmam que o ano será desafiador, exigindo uma preparação diferente, um planejamento específico para 2021.

Legenda: Presidente do Ceará, Robinson de Castro
Foto: Thiago Gadelha

“Sem dúvida, uma parte do planejamento do Ceará vai depender do calendário que teremos em 2021. Já o iniciamos, estamos discutindo algumas alternativas e estratégias. Não vamos ter parada para descanso, já que no dia 24 termina a Série A e no dia 28 estreamos na Copa do Nordeste. Será um desafio grande, principalmente para os clubes do Nordeste, e a gente vai tentar se adaptar da melhor forma e se sair bem”, declarou o presidente do Ceará, Robinson de Castro.

O mandatário do Fortaleza, Marcelo Paz, vai na mesma linha de adaptação. “No calendário tradicional em dezembro, termina o ano esportivo, os jogadores entravam de férias e retornavam para uma pré-temporada. Mas agora não terá nada disso, mas foi única forma encontrada para o calendário se normalizar em 2021. Não é o ideal, mas todos tentaram fazer o melhor possível dentro do tempo que tinham para montar o calendário esportivo. Agora é nos adaptarmos”.

Marcelo Paz
Legenda: Marcelo Paz, presidente do Fortaleza
Foto: Thiago Gadelha/SVM

Os dois presidentes estão atentos sobre uma possível 5ª competição nos calendários dois clubes e esperam para definir um planejamento definitivo. Sobre o calendário em si, os dois presidentes admitem que não é o ideal, mas que foi necessário para que as competições fossem mantidas.

“As coisas vão ser um pouco atropeladas, mas já em janeiro vamos começar a planejar um cenário possível para 2021. Temos asseguradas 4 competições, e além disso, poderemos nos classificar para um competição internacional, uma Sul-Americana, ou uma coisa melhor, uma Pré-Libertadores. Uma 5ª competição vai exigir mais ainda da gente, um olhar mais amplo e exigiria uma capacidade de superação muito grande”, declarou Robinson de Castro.

“O certo é que vai ser calendário esportivo muito apertado todas as competições em 10 meses, com o Fortaleza podendo jogar de 4 a 5 competições, e diferente dos últimos anos, jogaremos a Copa do Brasil desde a 1ª Fase”, completou Marcelo Paz. O presidente do Sindicato dos Atletas de Futebol do Estado do Ceará (Safece), Marcos Gaúcho, admite que o calendário não é o ideal, mas o momento é de bom senso, ainda que sempre vá defender o interesse dos jogadores.

“É o momento de encontrar soluções, readequarmos as circunstâncias por causa de uma pandemia. Temos que ter a clareza em encarar todas estas mudanças com a dignidade e cuidado, para ter campeonatos com toda segurança, desgaste mínimo possível. Este calendário é atípico e a CBF procurou soluções para encaixar as competições. Entra aí o entendimento e diálogo para minimizar o desgaste”, analisa Gaúcho sobre a temporada que se iniciará.

Quero receber conteúdos exclusivos de esporte