Acesso à banda larga

Cinturão Digital atenderá todo o território do Ceará até 2019

Atualmente, a estrutura referência em acesso à internet está presente em 116 cidades do Estado

A rede de fibra ótica e o desenvolvimento da banda larga no Estado devem contribuir para tornar o Ceará mais interessante para os investidores, estimulando a atração de data centers, por exemplo
01:00 · 27.03.2018 por Bruno Cabral - Repórter

Presente em 116 cidades cearenses, o Cinturão Digital poderá atender todos os 184 municípios do Estado até o fim do próximo ano. Hoje, o projeto que é referência na promoção de acesso à internet de banda larga, atende 90% da população urbana do Ceará e deve contemplar mais 11 cidades até o final deste ano, conforme prevê a Empresa de Tecnologia da Informação do Ceará (Etice). Ao todo, a rede tem mais de 3 mil quilômetros de rede fibra óptica.

"O projeto é ambicioso e nós queremos que, a partir do ano que vem, nós cheguemos ao último ciclo, atingindo todos os municípios do Estado do Ceará, mas isso depende dos orçamentos. O que a gente acredita é que no próximo ciclo de dois ou três anos nós possamos finalizar esse processo", disse Adalberto Pessoa, presidente da Etice, durante o INOVAtic NE, realizado, ontem (26), em Fortaleza.

LEIA AINDA:

> Negócios nos EUA impactam o Estado, diz Angola Cables
> Pequenas teles se fortalecerão
 
O evento é voltado para empresas do setor de Tecnologia da Informação e de Telecomunicações (TICs), e startups do mercado de ideias criativas. Segundo Pessoa, ainda faltam receber as redes de fibra ótica as cidades menores e mais carentes, em razão do maior custo para implantação da rede. "Mesmo assim, o projeto é para a gente atender 100% dos municípios cearenses", ele diz. Além do peso dos custos operacionais, outro desafio para a expansão da cobertura de banda larga é a captação de recursos para os investimentos. E, para contornar essas dificuldades, Pessoa diz que a Etice vem buscando parcerias com provedores locais para ampliar a oferta de serviços pela rede.

"O grande desafio é a busca de recursos voltados aos investimentos mas, além da questão da infraestrutura em si, precisamos povoar essa rede com serviços, que envolvem voz sobre IP (VoIP), sistemas de videomonitoramento, sistema de telemedicina, educação à distância, agregando valor e fazendo com que esse investimento tenha um cunho social", diz Pessoa. "Estamos fazendo um desenho que minimize esses investimentos e que gere uma relação ganha-ganha para o Estado, para a Etice e para os provedores".

Junto com o desenvolvimento da rede de banda larga do Estado, a Etice espera que essa gama de serviços estimule a atração de data centers para o Ceará, o que é potencializado por o Ceará ser um hub de telecomunicações do Brasil.

Desenvolvimento regional

Embora o Nordeste ser a região brasileira onde o custo do serviço de banda larga seja a maior barreira para o acesso à internet, o Ceará é pode ser considerado uma "ilha" nesse aspecto, tanto pelo Cinturão Digital como pela posição geográfica, que faz de Fortaleza o maior hub de cabos de fibra óptica da América Latina, destacou no evento, Artur Coimbra, diretor do Departamento de Banda Larga da Secretaria de Telecom do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC).

"A região Nordeste tem ilhas de destaque, e uma dessas ilhas é o Ceará", disse Coimbra.

"E a região de Fortaleza é uma das três ou quatro do Brasil que tem essa vocação geográfica para atrair data center. Então existe condições de infraestrutura muito positivas no Nordeste", completou.

Indústria de data center

Segundo o presidente da Etice, a atração da indústria de data center para o Estado, passa pelo aumento da capacidade de banda do Cinturão Digital, que hoje opera com capacidade de 1 terabyte por segundo. "Acreditamos que isso pode ser incrementado, o que irá reduzir custos, atrair mais empresas, gerar mais empregos e melhorar os serviços públicos".

Projetos da Oi

Também presente ao evento, o diretor de Investimento e Desenvolvimento de Soluções de Redes e Sistemas da Oi, André Ituassu, ressaltou os avanços da companhia com foco na modernização da rede com tecnologias de maior velocidade final para o cliente e também enfatizou os projetos estruturantes que objetivam buscar a melhoria na qualidade de seus serviços.

De acordo com ele, dentro desse foco, o Nordeste será contemplado com a tecnologia FTTH (Fiber To The Home), e Fortaleza está entre as capitais beneficiadas com a facilidade que leva a fibra ótica até a casa do cliente com altíssima velocidade - ultra banda larga de até 200 mega.

A Capital cearense será a primeira cidade do Nordeste com grande expansão de fibra ótica, que é a rede de transmissão de dados mais rápida do mundo. Ela permite atingir velocidade, qualidade e capacidade muito maiores do que com qualquer outro tipo de tecnologia. Com ela é possível usar vários aparelhos ao mesmo tempo, sem perda de velocidade, jogar online, fazer downloads de vídeo em alta definição muito mais rápido, entre outros benefícios.

"Ainda para este ano, a Oi estará implementando a tecnologia móvel 4,5G. E a prioridade da Oi para este investimento é a região Nordeste. As primeiras cidades serão Fortaleza e Salvador, que já a partir de abril começarão a perceber as melhorias que o LTE em 1800 MHz irá proporcionar aos nossos clientes. Toda aceleração de investimentos em infraestrutura que a Oi vem proporcionando sustenta melhoria contínua na qualidade de rede", acrescentou André Ituassu.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.