Peritos retiram peças de carro de ex-assessor de Gabriel Monteiro para análise e faca é encontrada

Vinícius Hayden Witeze morreu dois dias antes de protocolar pedido de segurança contra o vereador

Hayden
Legenda: Vinícius Hayden, ex-assessor que denunciou vereador carioca por assédio, morreu em acidente no sábado (28)
Foto: Reprodução TV Globo

Agentes do Instituto de Criminalística Carlos Éboli, da Polícia Civil do Rio de Janeiro, iniciaram nesta segunda-feira (30) o trabalho de perícia no carro usado por Vinícius Hayden Witeze, ex-assessor do vereador e YouTuber Gabriel Monteiro, que morreu após capotamento na RJ-130, no sábado (28). As informações são do O Globo.

Hayden pretendia protocolar um pedido de segurança à Câmara dos Vereadores do Rio de Janeiro nesta segunda-feira (30), após alegar estar sendo ameaçado de morte por confirmar parte das denúncias de prática de assédio moral e sexual contra o vereador. 

Foram recolhidos objetos, entre eles uma faca que estava no forro de uma das portas, e papéis que estavam no automóvel. Também foram retiradas peças do veículo para análise.

O carro foi levado a uma concessionária da Toyota em Petrópolis para uma inspeção mais aprofundada de algumas peças, a fim de esclarecer o que causou o acidente.

Durante o trabalho dos peritos no pátio da delegacia, foram retirados o para-choque traseiro e algumas peças do motor para análise. 

Carro apresentou problemas

A mulher que estava com Vinícius informou em depoimento à Polícia Civil que o carro apresentou problema mais de uma vez durante a viagem à Nova Friburgo, Região Serrana do Rio, conforme informações do jornal O Dia.

Segundo disse, eles abasteceram três vezes, sendo a primeira em um posto na Avenida Washington Luiz, onde ela acredita que o veículo começou a apresentar problemas devido à gasolina adulterada.

Conforme o depoimento, ao perceberem algo errado após a primeira parada, Vinícius decidiu parar para abastecer em um posto de confiança com bandeira, já em Nova Friburgo. Depois disso, ela disse que eles não perceberam mais alterações no desenvolvimento do carro.

Posteriormente, assim que saíram para Teresópolis, Região Serrana do Rio, chegaram a abastecer novamente, mas em um posto sem bandeira confiável. Em seguida, notaram que o carro começou a dar problemas de novo, o que levou Vinícius a achar que o problema realmente era a qualidade da gasolina.

Marcha lenta

Ainda segundo o Dia, a mulher disse em depoimento que eles fizeram todo o trajeto na estrada praticamente em marcha lenta, em razão de o veículo estar sem força para desenvolver.  A testemunha falou que Vinícius chegou a alterar o comando da marcha para o manual, mas acabou voltando para o automático porque não fez 'diferença'.

Ela também disse acreditar que, pela falta de sinalização e iluminação na estrada, Vinícius não enxergou a curva e capotou, sendo esse o principal motivo do acidente. "Durante todo o trajeto ele se queixava pela falta de sinalização na estrada e que esta era muito perigosa. Chegou a mencionar o acidente que o Deputado Glauber Braga também sofreu nela", diz parte do depoimento. 

Acidente e morte

Segundo informações da Polícia local, o carro de Hayden capotou e ele morreu na hora. A passageira foi transferida para um hospital local. No interior do automóvel do ex-assessor, a corporação declarou ter encontrado cópias do termo da declaração dada por ele na denúncia contra vereador do Gabriel Monteiro.

Nas redes sociais, o parlamentar lamentou a morte do ex-assessor, mas disse que Hayden forjou acusações contra ele.

Assédio sexual e moral

Em depoimento à Câmara Municipal do Rio, na última quarta-feira (25), Hayden afirmou haver uma orientação no gabinete de Gabriel para investigar parlamentares e produzir conteúdos que os constrangessem. Na ocasião, ele ainda declarou estar sofrendo ameaças constantes. Em um vídeo, divulgado no mesmo dia, ele detalhou as ofensivas. 

"Perdi a minha liberdade. Tenho que andar de carro blindado, colete à prova de balas. Tenho que cercear o meu direito de ir e vir, de sair a hora que eu quero porque o vereador gravou vídeos expondo o meu número pessoal, me colocando como se fosse uma pessoa que tivesse negociado com uma pseudo máfia do reboque, que ele vive falando que é tudo a máfia do reboque dele", disse na gravação.

Além dessa acusação, pairam sobre o parlamentar outras de estupro e assédio sexual. Inclusive, o ex-assessor já havia dito à Polícia Civil que o vereador sabia que a menina que aparece em um vídeo fazendo sexo com ele era menor de idade.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o Brasil