Modelo Ludmila Cassemiro grava comentário racista e denuncia no Instagram

Jovem diz que irá procurar o Ministério Público

Modelo chegou a gravar homem falando ofensas
Legenda: Modelo chegou a gravar homem falando ofensas
Foto: Reprodução/Instagram

A modelo Ludmila Cassemiro, 21, uso o Instagram para denunciar um ato de injúria racial que ela sofreu, no bairro Cachoeirinha, em Belo Horizonte, no último sábado (9).

Ludmila caminhava em direção de uma academia quando encontrou um homem, vindo em direção oposta, que disparou comentários contra o cabelo dela. "Eu não quero te ouvir. Guarda seu racismo para você", disse a jovem em resposta ao ataque.

Assista:

Em vídeo na rede social, a modelo relatou que o homem afirmou querer falar sobre o cabelo dela há muito tempo.

"O cara me parou e falou para mim que  o meu cabelo incomodava. Que fazia tempo que ele queria fazer isso. Que o meu cabelo assustava as pessoas. E disse que ele, como fotógrafo, tinha autoridade para falar sobre meu cabelo, sobre a forma como eu uso", detalhou a modelo.

Publicação em rede social obteve mais de 30 mil visualizações
Legenda: Publicação em rede social obteve mais de 30 mil visualizações
Foto: Reprodução/Instagram

Ludmila ainda conseguiu gravar parte da discussão com o homem e pediu para ele sair de perto dela. Em relato na rede social, a jovem chegou a falar que não é a primeira vez que passa por um ataque do tipo. Ele contou ter até perdido até um emprego por causa do cabelo.

Ao G1, a modelo disse que ainda não procurou a Polícia, mas que deve denunciar o ocorrido ao Ministério Público. 

Crime de Injúria racial

O crime de injúria racial está previsto no Código Penal brasileiro e caracterizado em ofender a honra de alguém valendo-se de elementos referentes à raça, cor, etnia, religião ou origem. Ou seja, diz respeito principalmente a situações que envolvem a honra de um indivíduo específico, geralmente por meio do uso de palavras preconceituosas.

Nessa situação, a vítima pode procurar uma delegacia e mover, por si mesmo, um processo contra o agressor, sem a necessidade de ação do Ministério Público.

 

 

 

 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o Brasil