Comando do Exército determina que militares usem máscara, se vacinem e não compartilhem fake news

Diretrizes para combate à Covid-19 fazem parte de documento assinado pelo comandante, general Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira

militar do exército de perfil, com uma máscara em estampa igual à farda
Legenda: Exército recomenda o uso de máscaras em operações de campo e nas operações de faixas de fronteira
Foto: Exército/Divulgação

Visando o retorno pleno de todas as atividades administrativas e operacionais, o comando do Exército divulgou um comunicado, em que aponta algumas diretrizes para o combate à Covid-19, em avanço no Brasil. As informações são do G1

Conforme documento assinado pelo comandante do Exército, general Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira, os militares que retornarem ao trabalho presencial deverão estar vacinados.

Eles também deverão respeitar o distanciamento social, usar máscara e ficarão proibidos de compartilhar fake news sobre a pandemia. Logo, só deverão divulgar algo após confirmar a fonte e checar se a mesma é verdadeira. Do contrário, o militar ou o servidor ficará sujeito às sanções penais e administrativas previstas em lei.

O documento deixa claro que a retomada das atividades será possível, devido ao avanço da vacinação contra a Covid-19. 

As 52 regras, publicadas pelo site O Antagonista, contudo, vão de encontro ao que vem sendo defendido pelo presidente Jair Bolsonaro (PL). Ele, por exemplo, se posiciona contra a obrigatoriedade da imunização e, normalmente, não segue regra de distanciamento.

Confira algumas outras determinações do Exército:

  • Militares e servidores civis que retornarem de viagem internacional, a serviço ou privada, ainda que não apresentem sintomas relacionados à Covid-1, deverão realizar o teste molecular (RT-PCR) até 72 horas antes do embarque;
  • Para as ações de campo, como as de forças-tarefas humanitárias, e nas operações de faixas de fronteira é preciso continuar adotando medidas de prevenção à contaminação pelo coronavírus;
  • Pode haver o retorno às atividades presenciais, desde que respeitado o período de 15 dias após imunização contra a Covid-19;
  • A manutenção das missões internacionais ainda não iniciadas e a realização de seminários, palestras, solenidades, confraternizações que impliquem na aglomeração de pessoas ainda passarão por avaliações.

 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o Brasil