Brasil supera as 450 mil mortes pela Covid-19 confirmadas

Balanço do Ministério da Saúde indica que, nas últimas 24 horas, 2.173 pessoas morreram por causa da doença

homens carregam caixão em cemitério
Legenda: Em menos de um mês, mais de 50 mil mortes pela Covid-19 foram registradas no Brasil
Foto: Kid Junior

O Brasil chegou à triste marca de 452.031 mortes causadas pela Covid-19. A soma foi confirmada pelo Ministério da Saúde em balanço atualizado às 18h15 desta terça-feira (25). Ao todo, foram 2.173 óbitos confirmados nas últimas 24 horas no País.

Pelo balanço ministerial, em menos de um mês, foram mais de 50 mil mortes pelo novo coronavírus no Brasil. A marca de 400 mil óbitos foi atingida no dia 29 de abril.

O número de casos da doença confirmados chegou a 16.194.209.

Covid-19 no Ceará

O Ceará se aproxima das 20 mil mortes pela Covid-19 confirmadas. Nesta terça, segundo atualização das 11h49 da plataforma IntegraSUS, o Estado tem 19.954 óbitos desde o começo da pandemia. Nas últimas 24 horas, foram confirmados quatro.

Já os casos são 778.444 no Estado, com 100.764 ainda em investigação.

Medo da terceira onda

O Brasil, com uma população de 212 milhões de habitantes, é o segundo país mais enlutado pela pandemia em números absolutos, atrás dos Estados Unidos. E em termos relativos, com 215 óbitos por 100 mil habitantes, é o mais afetado das Américas e do Hemisfério sul.

A média de mortes diárias, que em meados de abril superava as 3 mil, estabilizou-se há dez dias em torno das 1,9 mil.

Mas o que mais preocupa os epidemiologistas é o aumento da média semanal de contágios, de 56.928 em 28 de abril a 65.910 nesta terça, o que terá um impacto no número de mortes nas próximas semanas, segundo as projeções.

O repique de infecções pode estar relacionado com a flexibilização das restrições adotada pelos estados. Segundo o último boletim da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), há um risco real de uma terceira onda, com a curva epidemiológica ascendente em oito dos 27 estados brasileiros e estável em outros dez.

A propagação do vírus poderia ser favorecida pelo começo do inverno no hemisfério sul no mês que vem, com uma queda das temperaturas, sobretudo nos estados do Sul do país.

Enquanto isso, o ritmo de vacinação continua lento. Até agora, 42,7 milhões de pessoas tomaram a primeira dose (20,14% da população) e 21 milhões (9,9%), a segunda. 

A este panorama se soma a preocupação com a variante detectada pela primeira vez na Índia, encontrada na semana passada em seis tripulantes de um navio cargueiro com bandeira de Hong Kong que está na costa do Maranhão. Embora ainda não tenha sido confirmada a transmissão local da cepa, outros estados - inclusive o Ceará - reportaram casos suspeitos.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o Brasil