‘Nossa Cara’: conheça como funcionará o primeiro mandato coletivo em Fortaleza

Adriana Gerônimo, Louise Anne de Santana e Lila M. Salu formam trio eleito ontem (15), com 9.824 votos, para ocupar uma das 43 cadeiras da Câmara Municipal

Legenda: Adriana, Lila e Louise foram eleitas para mandato coletivo como vereadoras de Fortaleza
Foto: Theyse Viana

Uma assistente social e líder comunitária, uma professora, uma educadora popular. Uma católica, uma evangélica, uma “do terreiro”. Duas filiadas a partido político, uma independente. Todas nascidas e criadas na periferia de Fortaleza. Adriana Gerônimo Vieira Silva, 30; Louise Anne de Santana, 30; e Lila M. Salu, 32, formam a ‘Nossa Cara’: primeira candidatura coletiva de Fortaleza, eleita com 9.824 votos, nesse domingo (15).

Pré-candidaturas coletivas trazem novo elemento para eleições

20 vereadores perdem a vaga na Câmara Municipal de Fortaleza

Veja a lista de vereadores eleitos em Fortaleza

As três, juntas, ocuparão cadeira única na bancada do PSOL na Câmara Municipal de Fortaleza, dividindo por três todos os deveres, as decisões, o espaço na tribuna e o salário. Este último, aliás, foi alvo de críticas nas ruas, durante a campanha. “As pessoas diziam: ‘Três pessoas? Três salários? Por isso o Brasil não vai pra frente!’, e tínhamos que explicar que não seria assim”, relembra Adriana, que oficialmente, “nos termos burocráticos”, é quem ocupa o cargo.

Legenda: “Vivemos numa cultura do corpo negro que é preso ou morto, e queremos construir outras alternativas pra nós – porque quando não somos nós, são nossos filhos.” Adriana Gerônimo
Foto: Theyse Viana

Num mandato coletivo, o salário e os benefícios do cargo são centralizados em uma pessoa só, a que registrou a candidatura. Na ‘Nossa Cara’, então, Adriana receberá como vereadora; e Lila e Louise, como assessoras. Entre elas, porém, tudo será horizontal. 

“Todas vão receber o mesmo valor, equiparado, e as sobras vão para um fundo coletivo. A cada dois anos, abriremos um edital e o total será doado para projetos sociais na periferia, como financiamento pras juventudes e comunidades”, explica Adriana.

Encontro

O objetivo de dividir para multiplicar foi, aliás, o que fez as três se encontrarem. Mesmo vindo de comunidades distintas da cidade, Adriana, Lila e Louise se esbarravam sempre em Marchas da Periferia, protestos nos dias 8 de março e outros atos políticos por reivindicação de direitos para pretos, pobres, mulheres e pessoas LGBTI+.

“Eu conheci a candidatura no carnaval. As meninas estavam vendendo cerveja, já construindo a ideia, e eu disse que queria chegar junto na campanha, fazer jingle. E acabei foi fazendo parte! A ‘Nossa Cara’ surgiu das nossas aflições. E está se construindo, ainda. Não se limita à entrada na Câmara – queremos mexer com a estrutura”, sentencia Lila: educadora popular, cantora, compositora, instrumentista e, agora, vereadora de Fortaleza.

Legenda: "Só de a gente se jogar na rua, já está mudando. O maior caminho da mudança, pra mim, é retomar a educação política. A política não pode ser só período eleitoral.” Lila M. Salu
Foto: Theyse Viana

A “ficha” de que conseguiram atingir o objetivo parece cair um pouco mais a cada abraço, a cada vez que falam com amigos, por extenso, sobre os nove mil oitocentos e vinte e quatro eleitores que as confiaram o cargo – que será exercido “com muita luta”, como elas mesmas reconhecem.

“É um cenário muito cabuloso, a política, e vimos muito isso na rua. Pessoas pedindo 100 reais, mil reais pra votar na gente. Somos uma candidatura preta: tudo o que esperam da gente é vacilo. E a gente fez tudo muito massa, de até se abaixar no chão pra apanhar um panfleto que caiu, porque a gente não ia sujar a rua. Política é isso. Nossa campanha ganhou no diálogo”, orgulha-se Lila.

Foi o diálogo, inclusive, que driblou os episódios machistas e racistas que vivenciaram durante a campanha eleitoral. “A caminhada foi muito feliz, mas muito dura. Tem coisa que passamos na rua que só nós sabemos. Disseram que mulher não sabe fazer política, ainda mais mulher preta. Fomos chamadas de macacas. Um cara chegou numa companheira branca e perguntou ‘posso bater em você, por estar fazendo campanha pra essas negras aí?’”, rememora Lila.

Desafios

As três mulheres se unem no gênero, nas origens, na formação política, na cor da pele e na “urgência de mudança”, e trazem consigo bagagem de demandas, vivências e ausências que castigam os bairros periféricos – ou a parcela pobre dos bairros de elite – da Capital. Unindo tudo, definiram três bandeiras que devem guiar as propostas de lei e o exercício da vereança: educação, cultura e direito à cidade.

Legenda: "Temos um público que muitas vezes não está na Câmara: mulheres, pobres, periféricas, LGBTs, trabalhadoras. Nossas bandeiras serão sobre educação, cultura e direito à cidade, porque esses sujeitos são atravessados pela ausência delas.” Louise Anne de Santana
Foto: Theyse Viana

“Vamos lutar para ampliar vagas em creches, para requalificar toda a malha de escolas públicas da cidade. Sem vaga na creche, as mulheres não podem trabalhar, e muitas vezes ficam reféns de violência doméstica. Precisamos também fortalecer as líderes comunitárias, que desenvolvem formas auto-organizadas de economia. E ampliar políticas públicas que fortaleçam essas iniciativas e essas mulheres”, lista Louise Anne, professora da rede municipal de Fortaleza.

O trio reconhece que emplacar projetos e propostas em meio a ideologias tão dissonantes será “desafiador”, como resume Adriana – mas, ao mesmo tempo, transformador. “Vamos entrar num campo institucional junto com muita gente que comunga de ideias opostas às nossas. Para alguns, gente preta é bandida, não presta. E vamos poder contestar isso, falar pelas irmãs e irmãos que tombaram no caminho. Nossos sonhos nunca couberam nas urnas, e estamos ocupando isso agora. Temos um projeto político maior do que qualquer partido”.

Foto: Theyse Viana

Além da importância de compor a equipe legislativa da quinta maior capital do Brasil, as três vereadoras enxergam em si “e em todos os que ajudaram” um farol de mudança. “Nossa vitória representa frutos. Apesar de estarmos num momento difícil, nossas ancestrais lutaram muito pra gente chegar até aqui. Os recursos e as mãos que chegaram até nós, assim como o nosso jeito de fazer, fizeram diferença. É um momento histórico de esperança: apesar de tudo, continuamos existindo”, conclui Louise.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre política