Mulheres dedicam a trabalhos domésticos 18h semanais a mais do que homens, diz Ipea

A proporção de mulheres que realiza afazeres domésticos ficou acima de 91%. Já entre os homens, ela variou de 45% em 2001 para 55% em 2015. 

Mulheres dedicam 18h por semana a mais aos afazeres domésticos do que homens, revela pesquisa do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), divulgada nesta quinta-feira (29). Os dados também mostram que as mulheres trabalham mais horas semanais que os homens: 47h contra 45h, de acordo com dados de 2015.

Limpeza

O estudo, realizado com base nos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), colhidos de 2001 a 2015, levou em conta o tempo dedicado ao trabalho remunerado, não remunerado e tempo de deslocamento casa-trabalho-casa. Segundo o Ipea, o estudo revela mudanças importantes nos últimos anos em relação ao uso do tempo dedicado ao trabalho remunerado e aos afazeres domésticos. 

A pesquisa diz que as mulheres aumentaram em 7h semanais o tempo disponível para lazer, devido à diminuição no tempo gasto com trabalhos domésticos. Ainda assim, a diferença entre os sexos é de mulheres dedicando 18h a mais por semana ao ambiente doméstico. 

Durante todo o período analisado, a proporção de mulheres que realizam afazeres domésticos ficou acima de 91%. Já entre os homens, ela variou de 45% em 2001 para 55% em 2015. 
 
Por um lado, há um aumento nas horas remuneradas entre as mulheres de 2001 até 2014 (de 21h para 23h semanais) e uma redução em 2015 (voltando para 21h semanais). Os homens, por outro lado, apresentaram uma redução no trabalho remunerado de 5h semanais no período, passando de 40h em 2001 para 35h em 2015.

Homens casados aumentam em 6h o tempo gasto com trabalho remunerado. Se tiverem filhos entre 0 e quatro anos, o aumento é de uma hora. Já para as mulheres, o fato de ser casada e ter filhos reduz sua jornada de trabalho em 2h e 6h, respectivamente. 
"Em outras palavras, é interessante observar que, para as mulheres, a estrutura familiar impacta negativamente nas suas horas dedicadas ao trabalho remunerado, enquanto que, para os homens, esse impacto é positivo", analisa a pesquisadora do Ipea e autora do estudo, Ana Luiza Neves de Holanda.

Dados mais recentes para 2016 e 2017, da Pnad Contínua, revelam que, de forma geral, a participação das mulheres em tarefas domiciliares é substancialmente maior que a dos homens, tanto nos afazeres domésticos, quanto na categoria cuidados - que inclui, entre outras, ações de auxiliar nos 'cuidados pessoais', 'ler, jogar ou brincar', até 'transportar ou acompanhar para escola, médico, exames, parque'. 

Mulheres destinam 40% do seu tempo aos cuidados, contra 28% dos homens. Para afazeres domésticos, esse percentual chega a 94% para elas e 79% para eles. 

A maior diferença entre os sexos nessa categoria aparece em tarefas que envolvem preparar, servir alimentos, lavar louças e cuidar da limpeza e manutenção de roupas e sapatos: 37 pontos percentuais.

Você tem interesse em receber mais conteúdo do Brasil?