Na Série A pelo 5º ano seguido, Ceará projeta maior orçamento da sua história para 2022; veja valor

Expectativa da diretoria alvinegra é de estabelecer a maior arrecadação nos 107 anos do clube

sede do ceará na avenida joão pessoa
Legenda: Balanço financeiro do clube, referente a 2021, deverá ser publicado em abril de 2022
Foto: José Leomar

Indo para o quinto ano seguido na Série A do Campeonato Brasileiro, o Ceará projeta o maior orçamento da sua história para o ano de 2022. Quem falou sobre o tema foi o presidente do clube, Robinson de Castro, nesta terça-feira (14).

"Nós estamos estudando nosso orçamento para 2022 e a expectativa é R$ 160 milhões. Nós estamos num crescimento de receitas em produtos, serviços, prêmios, bons patrocínios, programa de sócio-torcedor que está crescendo, bilheteria, que voltamos a ter, vendas de atletas", disse ele.

O mandatário alvinegro ainda fez uma comparação do crescimento orçamentário do clube nos últimos cinco anos.

"Quando eu assumi a presidência, o clube faturava R$ 28 milhões por ano, em 2016. Já em 2017, a receita do clube foi de R$ 31 milhões, e em 2018 faturamos R$ 64 milhões. Em 2019, pulamos para R$ 105 milhões e em 2020, com a pandemia, ficamos com R$ 105 milhões. Em 2021, a minha previsão é de R$ 145 milhões de receitas", afirmou.

Robinson de Castro em entrevista
Legenda: O presidente do Ceará, Robinson de Castro, vai para mais três anos no comando do clube
Foto: Camila Lima

Em abril, a Coluna já havia publicado que o Ceará é o único clube do G-7 do Nordeste com seis anos seguidos de superávit, já que desde 2015 que o Vovô registra saldo positivo nos seus balanços anuais. O balanço financeiro referente a 2021 deverá ser publicado em abril de 2022.

Apesar de algumas críticas de torcedores, é inegável que os bons resultados financeiros refletem a gestão responsável, equilibrada e eficiente que o clube possui fora de campo. Essa tem sido uma marca da gestão de Robinson de Castro, que trouxe segurança econômica ao clube.

E pelas palavras do dirigente, a política de "pés no chão" foi o que o trouxe até aqui e deverá seguir sendo uma norma de governança em Porangabuçu.