O que realmente há de novo em arquitetura e decoração para 2024?

Escrito por André Monte ,
André Monte é designer de interiores
Legenda: André Monte é designer de interiores
Todo começo de ano percebemos o início de um novo ciclo onde várias influências regem nosso comportamento, seja na moda, arquitetura, decoração, tecnologia ou cultura.
Apesar do ciclo da decoração possuir vida longa, existe sempre o pensamento de que há um espírito de renovação em cores, estilos, textura e até mesmo em estampas que podem apontar tendências ou guiar esse novo ciclo para algo que pareça renovado ou até mesmo novo.
 
No entanto, fica o questionamento: o que realmente será novidade para o design de interiores, arquitetura e decoração nos meses ou nos novos ciclos que virão a seguir?
O maior termômetro para tudo isso ainda é o comportamento, dado que ainda estamos vivendo uma época de pós-pandemia, ou seja, de cuidados com o bem-estar. Logo, surge uma ideia de personalização. Palavras como: minimalismo, equilíbrio, consciência ambiental, afetividade, conforto e cuidado se mostram como premissas para uma tendência que vejo despontando nas feiras internacionais nos últimos tempos.
 
O estilo Japandi, que valoriza o tempo e o estado natural das coisas, reflete momentos de paz e serenidade, com suas cores claras e texturas naturais, mesclando brancos, beges e cinzas às pedras brutas e naturais. Meios sustentáveis de construção, o não desperdício e uma simplicidade nas soluções apresentam espaços minimalistas, equilibrados, leves e sobretudo atemporais.
 
Outro caminho é olhar para o passado. O estilo das décadas de 1970 e 1980 aparecem fortes. O uso criativo de materiais permite composições ousadas e únicas, além do uso de formas e cores antes consagradas que sugerem novos usos, com o uso em conjunto entre metais; ouro e prata que fazem uma composição rica e ao mesmo tempo nobre e quando aliados a mármores sem brilho, tecidos nobres e a cores mais sóbrias conferem personalidade a salas e quartos que expressam vitalidade e a sensação de pertencer. Os efeitos metalizados, as rochas exóticas, estampas geométricas e um certo glamour enquadram-se nesta tendencia.

É o lifestyle influenciando nossas casas, onde temos informações em tempo real e a busca da expressão da personalidade em como queremos viver. Visto isso, seguimos para um novo ciclo, onde o ecletismo, autoridade, pertencimento e personalidade irão guiar nossas escolhas para encontrarmos a casa dos nossos sonhos.

André Monte é designer de interiores 

Consultor pedagógico
Davi Marreiro
16 de Abril de 2024