O papel das empresas brasileiras no empoderamento feminino

Escrito por Charles Schweitzer ,
Charles Schweitzer é CEO da I-Scaneo, HRtech focada em soluções de impacto social para empoderar os colaboradores das empresas brasileiras
Legenda: Charles Schweitzer é CEO da I-Scaneo, HRtech focada em soluções de impacto social para empoderar os colaboradores das empresas brasileiras

Em muitos momentos, tem-se falado sobre a importância da representatividade feminina no ambiente corporativo. É um assunto que merece atenção, principalmente quando nos deparamos com uma realidade em que as mulheres ainda ocupam uma parcela menor em cargos de liderança, recebem salários inferiores e enfrentam uma série de desafios paralelos ao ambiente de trabalho. Ilustrando essa desigualdade, segundo o IBGE, as profissionais do sexo feminino ganham, em média, apenas 79% da renda dos homens, mesmo quando possuem níveis educacionais mais elevados e dedicam mais horas às suas atividades.

Porém, levantar discussões sobre o tema é apenas o primeiro passo. Precisamos olhar para o que as empresas podem fazer, na prática, para mudar esse cenário. Quando falamos de empoderamento feminino no ambiente corporativo, estamos nos referindo à necessidade de garantir a igualdade de gênero, adotar práticas e políticas que possibilitem o crescimento das mulheres na empresa, criar um ambiente de trabalho inclusivo e respeitoso em todos os níveis hierárquicos, combater o assédio e dar voz às colaboradoras.

A busca pela equidade nas empresas é um processo demorado que requer paciência e comprometimento de todas as áreas. Para adotar novas políticas é preciso fazer uma avaliação dos cargos existentes, além de um estudo das funções e salários para propor mudanças, para que de fato sejam criados ambientes que valorizem a diversidade.

Além disso, acredito que as empresas devem ir além do pensamento corporativo e considerar também a dupla jornada e as dificuldades enfrentadas pelas mulheres fora do ambiente de trabalho. Criar políticas que ofereçam suporte à conciliação entre vida profissional e pessoal, como flexibilidade de horários, licença parental estendida, licença menstrual, benefícios sociais e programas de apoio à saúde mental, é importante para garantir o bem-estar e o desenvolvimento das colaboradoras.

Ao meu ver, a partir do momento em que uma empresa abraça essa causa, temos uma transformação do ambiente de trabalho. O emponderamento feminino pode resultar em colaboradoras mais confiantes e engajadas, proporcionando um ambiente mais produtivo e de bem-estar. De acordo com o relatório “A diversidade como alavanca de performance” da consultoria McKinsey, empresas com maior diversidade de gênero têm 21% mais chances de ter lucratividade acima da média. Logo, a igualdade de gênero é benéfica para todos.

Portanto, especialmente em um mundo onde as empresas buscam cada vez mais se engajar em políticas ESG, é necessário que coloquem em prática seu papel na promoção do empoderamento feminino para um ambiente mais igualitário. Assim, as empresas criam ambientes de trabalho mais justos e inclusivos, beneficiando a sociedade.

Charles Schweitzer é CEO da I-Scaneo, HRtech focada em soluções de impacto social para empoderar os colaboradores das empresas brasileiras

 

 

Jornalista
Gilson Barbosa
10 de Junho de 2024
Prof. Aposentado da UFC
Gonzaga Mota
07 de Junho de 2024
Jornalista. Analista Judiciário (TRT7) e Mestrando em Direito (Uni7)
Valdélio Muniz
05 de Junho de 2024
Junimara Chaves é gerente de Sustentabilidade da SINOBRAS, siderúrgica do Grupo Aço Cearense
Junimara Chaves
05 de Junho de 2024
Val Freitas é sócia da Repense Financeira
Val Freitas
04 de Junho de 2024