O Dia do Índio e a vitória dos Tremembé

Escrito por Babi Fonteles | Acrísio Sena ,
Babi Fonteles é músico, antropólogo e professor da Universidade Federal do Ceará
Legenda: Babi Fonteles é músico, antropólogo e professor da Universidade Federal do Ceará

Neste Dia do Índio temos sim o que comemorar. Embora os povos indígenas no Brasil estejam atravessando uma conjuntura desfavorável, de ameaças aos seus direitos consagrados na Constituição Federal de 1988, por parte do (des)governo federal atual, o Povo Tremembé obteve uma conquista que se tornou um marco histórico na sua luta por autonomia e respeito à sua perspectiva de educação diferenciada.

Trata-se de uma mudança na legislação que rege os processos seletivos para professores temporários no Estado: Lei Complementar nº 22, de 24/07/2000, em voga, portanto, há mais de 20 anos!, uma lei genérica, que não respeitava os modos próprios de escolha de docentes para as escolas indígenas. Contrapondo-se aos Editais nº 002 e 004/2021, de “Seleção Pública para Composição de Banco de Recursos Humanos”, de responsabilidade das CREDEs 2 e 3 / SEDUC, os Tremembé de Acaraú, Itarema e Itapipoca construíram um edital próprio, fundamentado em seus direitos específicos e processos culturais tradicionais, os quais, para serem efetivados, interpuseram uma mudança no Art. 8º da referida lei, o qual passou a determinar que a seleção de professores para as escolas indígenas “observará as perspectivas e as especificidades da educação escolar indígena, inclusive pedagógicas, bem como o princípio da autodeterminação dos povos, no que se diz respeito à identidade sociocultural das etnias, de modo a ensejar a efetiva participação e contribuição dos povos indígenas no planejamento e na condução do processo seletivo”.

Esta significativa conquista, fruto de uma luta dos Tremembé com o apoio de alguns parceiros, beneficiará, ora em diante, todos os povos indígenas desta terra. Constitui-se também como marco a inspirar e balizar a “lição de casa” que o Ceará ainda precisa fazer para que a educação diferenciada indígena supere as carências atuais e seja tratada com a mesma atenção e dignidade com que o Estado vem tratando outras modalidades e níveis de educação pública e que fazem do nosso Estado uma referência no Brasil e no mundo.

Já imaginaram, quando o Ceará constituir um sistema de educação diferenciada indígena específico, com legislação, financiamento e gestão própria, a cargo dos indígenas? Aí, sim, teremos mais razões para comemorarmos o Dia do Índio e celebrarmos nossos feitos na educação pública no Estado. Os Tremembé de Almofala, em particular, têm mostrado que, mais do que um sonho, isso é possível. E urgente.


Babi Fonteles é músico, antropólogo e professor da Universidade Federal do Ceará.

Acrísio Sena é deputado estadual e vice-presidente da Comissão de Educação da Assembleia Legislativa do Ceará

Médico Sanitarista e Gestor em Saúde
Álvaro Madeira Neto
18 de Junho de 2024
Francisco Duarte é CEO da Legal Place Brasil
Francisco Duarte
16 de Junho de 2024
Médico especialista em reprodução humana
Marcelo Cavalcante
15 de Junho de 2024
Prof. Aposentado da UFC
Gonzaga Mota
14 de Junho de 2024
Jornalista e senador constituinte
Mauro Benevides
13 de Junho de 2024