Inovação na Busca da CNH pelos Jovens no Ceará

A pandemia acelerou a adoção de tecnologias remotas, reduzindo a necessidade de sair de casa e aumentando a preferência por soluções online

Escrito por Alisson Maia ,
Vice-presidente do Sindicato das Autoescolas
Legenda: Vice-presidente do Sindicato das Autoescolas

Nos últimos anos, uma tendência preocupante tem sido observada no Ceará: uma significativa queda na procura pela obtenção da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) entre jovens com idades entre 18 e 21 anos. Esse declínio não é apenas um fenômeno isolado, mas reflete as tendências mais amplas e profundas da Geração Z, caracterizada pelo imediatismo e pela crescente dependência da tecnologia. Ademais, a pandemia de COVID-19 desempenhou um papel crucial nesse cenário, exacerbando a necessidade de adaptação a novas formas de interação e aprendizado.

A Geração Z, composta por indivíduos nascidos entre meados da década de 1990 e o início de 2010, é notoriamente conhecida por sua familiaridade e afinidade com a tecnologia digital desde tenra idade. Esse grupo valoriza a gratificação instantânea e prefere soluções que sejam rápidas e eficientes. Nesse contexto, a obtenção da CNH, tradicionalmente vista como um rito de passagem para a independência, agora enfrenta competição direta com outras formas de mobilidade urbana, como os aplicativos de transporte, além da crescente preferência por deslocamentos mais sustentáveis, como bicicletas e patinetes elétricos.

A pandemia acelerou a adoção de tecnologias remotas, reduzindo a necessidade de sair de casa e aumentando a preferência por soluções online. Autoescolas no Ceará se adaptaram, oferecendo cursos teóricos remotos, mas ainda enfrentam desafios para atrair esses jovens.

Para reverter essa tendência, é essencial que as autoescolas adotem estratégias alinhadas às expectativas tecnológicas da Geração Z, como atendimento via chat e vídeo chamadas. Investimentos do Departamento Estadual de Trânsito (Detran) em infraestrutura, como a realização de exames em estruturas de autoescolas e expansão dos serviços de biometria, podem facilitar o processo de obtenção da CNH.

Mudanças na legislação para permitir treinamentos em veículos automáticos e elétricos são necessárias para atender às preferências dessa geração. Utilizar autoescolas como pontos de apoio para processos administrativos descentralizaria e agilizaria o atendimento, além de implementar as soluções digitais e flexibilização dos processos são fundamentais para atrair e engajar essa parcela da população, garantindo que a CNH permaneça relevante e acessível.

Conceição Martins é advogada
Conceição Martins
14 de Julho de 2024
Jornalista e senador constituinte
Mauro Benevides
11 de Julho de 2024
Jornalista
Gilson Barbosa
07 de Julho de 2024