A retomada da discussão da internação compulsória

Escrito por Daniel Leão Hitzschky Madeira ,
Daniel Leão Hitzschky Madeira é defensor público supervisor do Núcleo Especializado no Atendimento à Pessoa Idosa
Legenda: Daniel Leão Hitzschky Madeira é defensor público supervisor do Núcleo Especializado no Atendimento à Pessoa Idosa

Conforme noticiado pela imprensa nos últimos dias, o prefeito da comuna do Rio de Janeiro, Eduardo Paz, manifestou-se publicamente pela implantação da internação compulsória de usuários de drogas.

Preliminarmente, imperioso destacar que, desde 2019, após o advento da Lei nº 13.840/2019, a internação compulsória foi extinta do ordenamento jurídico, restando apenas possibilidade de dois tipos de internação aos usuários de drogas, a saber: a internação voluntária e a involuntária.

No que pertine à internação involuntária, consoante estabelece o Art. 23-A da lei 13.840/19, permitiu-se que fosse instituída tal modalidade de internação sem o consentimento do dependente, a pedido de familiar ou do responsável legal ou, na absoluta falta deste, de servidor público da área de saúde, da assistência social ou dos órgãos públicos integrantes do SISNAD, com exceção de servidores da área de segurança pública, que constate a existência de motivos que justifiquem a medida.

Assim, impende destacar que, atualmente, para promover a internação involuntária, não se faz mais necessário o pronunciamento judicial, embora seja necessário o aval médico, bem como informar, no prazo máximo de 72 (setenta e duas) horas da internação, o Ministério Público, a Defensoria Pública e os outros órgãos de fiscalização.

Para além dos requisitos formais e legais que envolvem a internação involuntária e a despetido dos aspectos criminais que não são aqui observados, alguns questionamentos ainda se mostram relevantes nesse átimo, senão vejamos: O tratamento de indivíduos drogaditos, através da internação involuntária, se apresenta como um vilipêndio à liberdade do indivíduo? Qual o critério que deve ser utilizado para a internação? Teria o Estado um aparato propício para efetivar um tratamento ou seriam esses locais de tratamento destinados à “higienização social”?

Com efeito, essa problemática não possui fácil resolução, entrementes, o fim a ser almejado, caso seja aplicada a internação involuntária, seria o resguardo do direito à vida dos usuários, sendo este o único fundamento jurídico plausível que justifique a imposição dessa restrição.

Daniel Leão Hitzschky Madeira é defensor público supervisor do Núcleo Especializado no Atendimento à Pessoa Idosa

 

 

Renata Fernandes é diretora da Associação Fortaleza Azul (FAZ) e mãe de autista
Renata Fernandes
02 de Março de 2024
Flaviana Lopes dos Santos é analista de ativos e configuração da Golden Cloud
Flaviana Lopes dos Santos
02 de Março de 2024
Jornalista e senador constituinte
Mauro Benevides
29 de Fevereiro de 2024
José Luiz Medrado é gestor comercial da MRV no Ceará
José Luiz Medrado
29 de Fevereiro de 2024
Robinson de Castro é presidente do Grupo Controller
Robinson de Castro
28 de Fevereiro de 2024
Alessandra Augusto é psicóloga
Alessandra Augusto
27 de Fevereiro de 2024
Jornalista. Analista Judiciário (TRT7) e Mestrando em Direito (Uni7)
Valdélio Muniz
26 de Fevereiro de 2024
Marcos Venício é gerente de marketing do Centro Fashion
Marcos Venício
25 de Fevereiro de 2024
Val Freitas é sócia da Repense Financeira
Val Freitas
24 de Fevereiro de 2024