A Guerra em Israel e a economia cearense

Escrito por Augusto Fernandes ,
Augusto Fernandes é CEO da JM Negócios Internacionais
Legenda: Augusto Fernandes é CEO da JM Negócios Internacionais

A declaração do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu sobre a longa duração do combate ao Hamas aumentou as preocupações não apenas em Israel e no Oriente Médio, mas também em regiões distantes, como o estado do Ceará, no Nordeste do Brasil. Embora as conexões possam não parecer evidentes à primeira vista, os conflitos podem ter ramificações na economia cearense.

A guerra em Israel, em si, é uma tragédia humanitária que merece toda a atenção e esforço para buscar uma solução urgente. Além disso, gera instabilidades geopolíticas que afetam a economia global, e o Ceará não está imune a essas repercussões.

Um dos primeiros impactos indiretos que o Ceará pode enfrentar é o aumento do preço do petróleo. Israel está localizado em uma região geopoliticamente sensível e o conflito tem o potencial de se espalhar e envolver outros países do Oriente Médio, como Irã, Síria e Líbano. Se isso acontecer, a produção e o transporte de petróleo na região podem ser afetados, o que, por sua vez, pode aumentar os custos de produção de fertilizantes, diesel e fretes.

O Ceará é um importante centro de produção agrícola e agroindústria no Brasil. O estado exporta uma variedade de itens, incluindo frutas, calçados e produtos industrializados. Israel é um parceiro comercial significativo, importando calçados e exportando fertilizantes, especialmente cloreto de potássio, usado na agricultura. A guerra em Israel gera preocupações sobre o aumento dos preços dos fertilizantes e a possibilidade de interrupções no abastecimento, o que poderia prejudicar o setor agrícola cearense.

É importante observar que Israel não é o maior fornecedor de fertilizantes para o Ceará. A Rússia é o principal fornecedor desse insumo. No entanto, qualquer perturbação na cadeia de suprimentos global pode afetar os preços e a disponibilidade dos fertilizantes, o que é motivo de preocupação para os agricultores cearenses.

Embora os impactos diretos da guerra em Israel na economia do Ceará possam não ser imediatos, as ramificações indiretas são motivo de atenção. O estado depende do comércio internacional e do setor agrícola, e qualquer interrupção nas cadeias de suprimentos globais pode afetar sua estabilidade econômica. Portanto, é fundamental acompanhar de perto a evolução da situação no Oriente Médio e adotar estratégias para mitigar possíveis impactos negativos na economia cearense.

Augusto Fernandes é CEO da JM Negócios Internacionais

Renata Fernandes é diretora da Associação Fortaleza Azul (FAZ) e mãe de autista
Renata Fernandes
02 de Março de 2024
Flaviana Lopes dos Santos é analista de ativos e configuração da Golden Cloud
Flaviana Lopes dos Santos
02 de Março de 2024
Jornalista e senador constituinte
Mauro Benevides
29 de Fevereiro de 2024
José Luiz Medrado é gestor comercial da MRV no Ceará
José Luiz Medrado
29 de Fevereiro de 2024
Robinson de Castro é presidente do Grupo Controller
Robinson de Castro
28 de Fevereiro de 2024
Alessandra Augusto é psicóloga
Alessandra Augusto
27 de Fevereiro de 2024
Jornalista. Analista Judiciário (TRT7) e Mestrando em Direito (Uni7)
Valdélio Muniz
26 de Fevereiro de 2024
Marcos Venício é gerente de marketing do Centro Fashion
Marcos Venício
25 de Fevereiro de 2024
Val Freitas é sócia da Repense Financeira
Val Freitas
24 de Fevereiro de 2024