Governo espanhol decreta estado de emergência após o país atingir 1 milhão de casos de Covid-19

Haverá toque de recolher noturno entre 23h e às 6h em todo o país

foto
Foto: Cesar Manso / AFP

O presidente da Espanha, Pedro Sánchez, decretou neste domingo (25) um estado de emergência que irá amparar a aplicação de um toque de recolher em todo o país na tentativa de frear a nova onda de coronavírus, com exceção para as ilhas Canárias.

> Portugal bate novo recorde de casos de Covid e manda 3 cidades para semi-confinamento

> França registra recorde de mais de 40 mil casos de Covid-19 em 24 horas

> Restrições por Covid-19 aumentam para milhões de britânicos

"É uma ferramenta constitucional para situações extremas e a situação que vivemos é extrema", disse em um discurso na televisão, após se reunir de maneira extraordinária com seu conselho de ministros.

Nesta reunião, convocada urgentemente na véspera, o governo aprovou a aplicação de um estado de alarme durante 15 dias mas com a intenção de pedir ao Congresso que prorroguem esta medida até o início de maio de 2021, segundo explicou o chefe de Governo.

Para prorrogar o estado de alarme acima de 15 dias, o governo necessita do apoio do Congresso. Atualmente, a coalizão de esquerda de Sánchez é minoria no parlamento, e por isso necessite do apoio de partidos nacionalistas bascos e catalães, e uma aliança com os "Ciudadanos", partido que representa a centro-direita do país.

Segundo o decreto do estado de alarme, o executivo irá impor um toque de recolher noturno entre 23h e 6h em todo o país, com exceção para as ilhas Canárias, em meio aos protestos das autoridades regionais para adiantá-lo ou atrasá-lo em uma hora.

O anúncio chega diante da segunda onda da covid-19 em toda a Europa e dias depois da Espanha atingir 1 milhão de casos diagnosticados.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o mundo