Maratona por Jalapão será maior desafio do Rally dos Sertões

Cearenses seguem na briga por pódio em todas as modalidades do rali

Legenda: Cearense Riamburgo Ximenes é um dos experientes em rally dos Sertões
Foto: Marcelo Machado de Melo

O rali manteve o ritmo de exigência em alta, ontem, mas pegou mais leve às vésperas de uma maratona. É que até aqui quatro etapas foram realizadas e enquanto você lê esta matéria, acredite, pilotos e navegadores estão acelerando rumo a dois dias de competição sem nenhum apoio mecânico. É que um rali como o Sertões é feito de dificuldades diárias, por vezes crescentes, e todas sempre desafiadoras.

A edição deste ano é um resgate às raízes de uma prova que tem por premissa ser dura, criada para forjar homens e mulheres a vencerem a eles mesmos. E em 27 anos de história, se há um lugar que quando entra no roteiro todos comemoram e "tremem" é o Deserto do Jalapão. Seguindo a máxima de quão pior, melhor. O Jalapão debutou no Sertões em 2000, e ninguém esquece daqueles que ficaram dias perdidos lá dentro. Obviamente, navegar por GPS hoje, 19 anos depois, é bem mais seguro, mas a areia pesada e os caminhos cruzados, confusos, seguem imutáveis.

"Tudo será decidido nessas duas pernas da etapa maratona. Serão 475km daqui de Porto Nacional até São Félix, onde chegaremos e entraremos em parque fechado e deixaremos nosso UTV. Ninguém pode mexer em nada. Somente no dia seguinte, antes de largar teremos meia hora de tempo para ajustes básicos feitos pelos pilotos e competidores de cada veiculo", explicou Riamburgo Ximenes.

George Ximenes fechou o dia em 11º na geral e chega à etapa maratona com seu UTV sem problemas. "Levaremos conosco algumas peças e ferramentas. Todos os competidores precisam conhecer bem mecanicamente seus veículos e treinar trocas básicas".

Nos quadriciclos, Marcelo de Medeiros lidera. Mas, para Wescley Dutra, a maratona também será decisiva. "Preciso ser estratégico e saber o momento certo de acelerar e o de aliviar, porque o Jalapão não perdoa erros", finalizou ele.

Enquanto nos UTVs, a briga ferve, com Bruno Varela e Gustavo Bortolanza reassumindo a liderança, nas motos, Tunico Maciel segue firme em 1º. Nos carros, Christian Baumgart e Beco Andreotti estão colados em Guilherme Spinelli e Youssef Haddad e Lucas Moraes e Kaique Bentivoglio.

Você tem interesse em receber mais conteúdo de esporte?

Assuntos Relacionados