Conheça o significado da chama, da tocha e das mascotes das Olimpíadas

Abertura dos Jogos de Tóquio foi nesta sexta-feira (23)

Tocha olímpica é um dos símbolos de celebração da paz e amizade entre os povos
Legenda: Tocha olímpica é um dos símbolos de celebração da paz e amizade entre os povos
Foto: Comitê Olímpico do Brasil (COB)

A abertura das Olimpíadas, realizada nesta sexta-feira (23), ressaltou os símbolos e as tradições da competição mundial. Na internet, usuários das redes sociais recorreram aos buscadores para entender o significado dos aros, da tocha e até mesma da chama acesa na pira olímpica.

Conheça os símbolos das Olímpiadas:

Os aros

Aros são marca do Comitê Olímpico Internacional (COI)
Legenda: Aros são marca do Comitê Olímpico Internacional (COI)
Foto: Monica de Souza/COB

Formado pelas cores azul, amarelo, preto, verde e vermelho, interligados sobre um fundo branco, os aros olímpicos foram criados em 1914 pelo Barão Pierre de Coubertin — fundador dos Jogos Olímpicos da Era Moderna. O símbolo representa a união dos cinco continentes, e pelo menos uma de suas cinco cores está presente na bandeira de cada um dos Comitês Olímpicos Nacionais vinculados ao COI.

É a principal representação gráfica dos Jogos Olímpicos e a marca do próprio Comitê Olímpico Internacional (COI). O símbolo do Comitê Olímpico Brasileiro (COB) une os aros olímpicos a uma representação da Bandeira Nacional do Brasil.

A tocha e a chama

Chama é apagada ao final da celebração de encerramento
Legenda: Chama é apagada ao final da celebração de encerramento
Foto: Jonne Roriz/COB

Nos Jogos Olímpicos da Era Moderna, a Tocha Olímpica é transportada por atletas e cidadãos comuns até o local da cerimônia de abertura. A chama significa o anúncio da próxima celebração dos eventos e carrega uma mensagem de paz e amizade.

Na cerimônia de abertura, a chama acende a Pira Olímpica, que permanece acesa durante toda a competição e é apagada ao final da celebração de encerramento. Desde a criação, para os Jogos Olímpicos de 1936 (Berlim), o ritual se transformou em um dos momentos mais emblemáticos do evento internacional.

A Tocha Olímpica ganha novos desenhos e formas a cada edição dos Jogos Olímpicos, já que a cidade-sede da competição pode criar sua própria tocha.

O hino

O Hino Olímpico foi composto em 1896 pelo compositor grego Spirou Samara, com letra do músico grego Cositis Palamas, e adotado pelo COI em 1958. O Hino Olímpico é executado em todas as cerimônias olímpicas oficiais, enquanto a bandeira olímpica é hasteada.

Mascotes

Os mascotes do Japão são Miraitowa (futuro) e Someity (eternidade)
Legenda: Os mascotes do Japão são Miraitowa (futuro) e Someity (eternidade)
Foto: Divulgação

A primeira mascote olímpica registrada oficialmente foi o cãozinho Waldi, nos Jogos Olímpicos de Munique, em 1972. Desde então, as mascotes se popularizaram como símbolo da alegria e da festa. Elas são embaixadoras da alegria e mensageiras da amizade, representando elementos simbólicos do país ou da cidade-sede dos Jogos.

O lema

"Citius, Altius, Fortius". A frase em significa “o mais rápido, o mais alto, o mais forte”. A citação, que foi criada pelo Padre Didon, amigo do Barão Pierre de Coubertin, serve como lema do ideal olímpico e resume a postura que um atleta precisa ter para alcançar sucesso. 

As medalhas

A medalha olímpica de premiação — ouro, prata e bronze — deve ter pelo menos 60 mm de diâmetro e 3 mm de espessura, sendo que a medalha para a primeira colocação deve conter, obrigatoriamente, no mínimo 6g de ouro puro.

Além disso, todos os atletas e oficiais que participam dos Jogos Olímpicos recebem uma medalha de participação oferecida pelo Comitê Organizador da competição.

O juramento

Desde os Jogos Olímpicos de Antuérpia, em 1920, um atleta faz o juramento olímpico em nome de todos os participantes, durante a cerimônia de abertura. O texto do juramento foi alterado para os Jogos de Sydney, em 2000, de modo que incluísse uma referência ao desejo de competir sem recorrer a drogas.

O juramento atual é o seguinte:

“Em nome de todos os competidores, prometo participar destes Jogos Olímpicos, respeitando e cumprindo com as normas que o regem, me comprometendo com um esporte sem doping e sem drogas, no verdadeiro espírito esportivo, pela glória do esporte e em honra às nossas equipes”.

Desde 1972, há também o juramento dos árbitros:

“Em nome de todos os juízes e árbitros, prometo que participaremos destes Jogos Olímpicos, sem preconceito, respeitando e seguindo as regras que os regem com o verdadeiro espírito da esportividade”.

Quero receber conteúdos exclusivos de esporte