Após três dias de manifestações violentas, Piñera afirma que Chile está em "guerra"

O país foi abalado por atos violentos e saques que deixaram sete mortos e quase 1.500 detidos, na crise social mais grave em três décadas