REGASEIFICAÇÃO NO PECÉM

GNL: estatal quer reunir interessados em usina no Ceará

Governo do Estado pediu agenda entre estatal e Kogas, possível investidora de planta terrestre

00:00 · 21.04.2017
Image-0-Artigo-2231440-1
Usina de regaseificação do Pecém funciona a bordo do navio Experience, que possui capacidade de produção de 22,5 milhões de m³/dia ( Foto: Regina Carvalho )

O presidente da Petrobras, Pedro Parente, disse ao governador Camilo Santana que quer se reunir com os interessados em firmar parceria para investir na usina de regaseificação de gás natural liquefeito (GNL) que funciona em uma embarcação no Porto do Pecém. O ativo foi posto à venda pela estatal no ano passado. A informação foi divulgada pela Agência Petrobras.

Parente e Camilo se reuniram na última terça-feira (18), na sede da Petrobras, no Rio de Janeiro. O secretário de Assuntos Internacionais do governo do Ceará, Antônio Balhmann, que também esteve no encontro, contou que foi discutida a possibilidade de a Korea Gas Corporation (Kogas) - que tem interesse em investir em uma planta terrestre no Complexo Industrial e Portuário do Pecém (Cipp) - firmar parceria com a Petrobras ou mesmo adquirir a embarcação regaseificadora da estatal.

"Pedimos ao presidente (Pedro Parente) para abrir a agenda dos executivos da Petrobras para que os executivos da Kogas sentem com eles para discutir um modus operandi (modo de operação) do contrato para o fornecimento de gás às duas termelétricas da Petrobras, que também estão à venda - uma daqui (Ceará) e outra de Açu (Rio Grande do Norte)", detalhou Antônio Balhmann.

Ativos

O governador afirmou que várias empresas já entraram em contato com o Estado manifestando interesse em analisar o potencial do ativo. Camilo Santana cobrou uma maior participação da Petrobras nesses contatos com investidores, e Pedro Parente disse que tem disposição em recebê-los. No entanto, uma possível data para o encontro entre os dois ainda não foi divulgada.

A usina de regaseificação de GNL do Pecém funcionava até junho do ano passado a bordo da embarcação Golar Spirit, que foi substituída por outra, Experience. O novo navio de regaseificação foi transferido para o Pecém vindo da Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro, onde operava.

O Experience tem mais que o triplo da capacidade de produção (22,5 milhões de m³/dia) em comparação ao navio que estava atracado anteriormente (7 milhões de m³/dia). No entanto, segundo o governador cearense, a operação dele acontece apenas uma vez ao mês, enquanto o projeto da Kogas prevê uma atividade maior a partir do Pecém.

Empreendimento terrestre

Para o projeto de instalação de uma usina de regaseificação de GNL em terra firme no Cipp, o governo do Estado está apostando no interesse da Kogas. Balhmann já havia, inclusive, projetado quando o empreendimento deve começar a ser construído. De acordo com um cronograma preliminar, o pontapé inicial das obras para a construção do empreendimento está previsto para o próximo ano.

Balhmann participou no último dia 28 de março de uma reunião com mais de três horas de duração com as diretorias da Kogas e da concessionária Companhia de Gás do Ceará (Cegás), que estão à frente do projeto da usina terrestre. Na comitiva de coreanos que veio ao Ceará, esteve o vice-presidente da Kogas, Su-Seog Ko.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.