Weintraub ataca Drauzio Varella por reportagem sobre realidade de mulheres trans no cárcere

O médico entrevistou personagens que contaram como ingressaram no sistema prisional e as dificuldades que enfrentam no cárcere, incluindo o abandono e a solidão

Legenda: Weintraub criticou Drauzio ao médico dizer que, além de não ter perguntado os crimes das detentas, não é juiz para julgá-las
Foto: Reprodução/Rede Globo

O ministro da Educação, Abraham Weitraub, publicou mensagens, em sua conta no Twitter, atacando o médico Drauzio Varella por reportagem em que mostra a realidade de mulheres trans nos centros prisionais. O material foi exibido pelo Fantástico, no último dia 1º. 

"Literalmente, abraçam o demônio! Suas novelas são LIXO, seus programas infantis são LIXO, seus jornais são LIXO e estão à serviço do Mal", disse o ministro.

Na reportagem, Drauzio entrevistou personagens que contaram como ingressaram no sistema prisional e as dificuldades que enfrentam no cárcere, incluindo o abandono e a solidão. Esses fatores foram explicitados em relato de Suzy Oliveira, recolhida na Penitenciária I José Parada Neto, em São Paulo. 

Na ocasião, entre outros assuntos, a reenducanda comentou que há oito anos não recebe visitas. Após um momento de silêncio, Drauzio respondeu "Solidão, né, minha filha?" e, logo em seguida, abraçou-lhe. A atitude repercutiu nas redes sociais, enquanto internautas se mobilizaram em apoio à detenta.

Com isso, a secretaria da Administração Penitenciária do estado publicou instruções nas redes sociais para o envio de cartas à Suzy.

No entanto, a informação divulgada por um grupo de advogados de que Suzy teria estuprado e matado uma criança de nove anos, em 2010, na capital paulista, revoltou internautas. Eles criticaram, também, Drauzio Varella pelo ato de compaixão com a detenta.

Em seu site, por meio de nota, o médico respondeu que não perguntou os delitos cometidos por Suzy e disse que é médico, e não juiz. "Sigo essa conduta para que meu julgamento pessoal não me impeça de cumprir o juramento que fiz ao me tornar médico. No meu trabalho na televisão, sigo os mesmos princípios."

Weintraub também reagiu à resposta de Drauzio sobre o caso: "Não é juiz? Não é gente?! Você e marinho NÃO conseguem pedir desculpas! NÃO têm empatia ou compaixão com as crianças e famílias vítimas desse pedófilo!".

O Fantástico, programa dominical em que foi veiculada a reportagem, lançou nota explicando as diferenças de vivências entre mulheres e homens no cárcere e reproduziu a nota de Drauzio.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o Brasil